Buffett passa a ser controlador da Heinz

Com o aumento da participação do bilionário americano, o 3G, fundo do brasileiro Jorge Paulo Lemann, perde espaço na companhia

O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2015 | 02h01

O bilionário Warren Buffett é o novo controlador da fabricante de ketchup e mostarda H.J. Heinz, que em março deste ano anunciou uma fusão com a Kraft, dando origem a uma gigante global do setor de alimentos. Com a ascensão do fundo americano Berkshire Hathaway, os brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira perdem espaço na companhia, já que a sociedade entre eles deixa de ser igualitária.

Segundo o comunicado divulgado ontem ao mercado, Buffett decidiu exercer o direito de compra de 5,4% das ações ordinárias da Heinz, alcançando uma fatia de 52,5% da gigante. Para concretizar essa transação, o Berkshire desembolsou US$ 462 mil, ou um centavo de dólar por ação. O comunicado foi emitido em conexão com a aquisição de US$ 23 bilhões da Heinz pela empresa brasileira de private equity 3G Capital, dos fundadores da Ambev, e a Berkshire Hathaway em 2013. O direito de compra já estava previsto na época da aquisição da Heinz pelos fundos.

Até então, a Berkshire controlava aproximadamente metade das ações da Heinz. A companhia também tinha participação preferencial de US$ 8 bilhões, que pagava dividendos anuais de US$ 720 milhões.

O direito de compra foi exercido antes da fusão planejada entre a companhia e a Kraft anunciada em março. A empresa resultante dessa união terá uma receita de US$ 29 bilhões e será a quinta maior empresa de bebidas e alimentos do mundo. A Heinz vai controlar 51% da nova companhia, enquanto os acionistas da Kraft ficarão com 49%. Eles devem votar se aprovam ou não a operação no dia 1º de julho.

Gestão brasileira. Embora Buffett esteja no conselho de administração da Heinz, quem está no comando da operação são os brasileiros, conhecidos pela eficiência no corte de custos de seus negócios. O carioca Bernardo Hees, ex-presidente da ALL e do Burger King, que também pertence ao 3G, será o presidente executivo da empresa resultante da fusão.

A transação marca a quinta maior aquisição da 3G Capital na indústria de alimentos e bebidas desde 2008, quando o grupo arquitetou a compra da cervejaria americana Anheuser-Busch pela InBev. Em 2010, o fundo comprou o controle do Burger King por US$ 3,3 bilhões. O Berkshire, por sua vez, detém quase 9% da The Coca-Cola, mais de 2% na Procter & Gamble e 1,4% no Walmart.

Desde 2013, Buffett e Lemann vêm fazendo negócios juntos. O americano é um fã declarado do estilo de gestão aplicado pelos brasileiros. Na reunião com acionistas, em maio, o bilionário, de 84 anos, falou mais uma vez da admiração que tem pelos fundadores da Ambev. "Eficiência é algo necessário no capitalismo", disse na ocasião. Eu realmente tiro o chapéu para o que o time do 3G vem fazendo."

Além do ketchup, a Heinz produz molhos, sopas, feijões e batatas Ore-Ida. No Brasil, a Heinz controla, desde 2011, a Coinexpress, de Goiânia (GO), dona da marca Quero. As marcas da Kraft incluem Philadelphia, Jell-O, Kool-Aid, Lunchables, Maxwell House, Oscar Mayer, Planters e Velveeta. O novo grupo de alimentos tem oito marcas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão. (Com agências internacionais).

Tudo o que sabemos sobre:
Warren BuffettHeinzalimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.