Bush anuncia ajuda a vítimas da crise hipotecária nos EUA

Presidente propõe juros congelados aos que correm risco de perder casas.

BBC Brasil, BBC

06 de dezembro de 2007 | 18h50

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou nesta quinta-feira um plano que prevê o congelamento dos juros para centenas de milhares de pessoas afetadas pela crise do mercado de crédito imobiliário nos Estados Unidos.A medida faz parte de um pacote destinado a ajudar pessoas que correm o risco de perder suas casas por não estarem conseguindo pagar suas hipotecas.Segundo a proposta anunciada por Bush, proprietários de imóveis que demonstrarem que não podem fazer os pagamentos serão analisados e poderão ser elegíveis para uma modificação das condições da hipoteca e para o congelamento dos juros por cinco anos.O presidente americano disse que o pacote não é uma "fiança" para aqueles que contraíram as dívidas, incluindo especuladores que tinham consciência de que não poderiam quitar a dívida, mas "uma resposta a um sério desafio".De acordo com o Banco Central americano (Federal Reserve Bank, ou Fed), cerca de 1,8 milhão de proprietários de imóveis nos Estados Unidos que aproveitaram ofertas de financiamento com juros tentadores devem ser afetados por aumentos desses juros no ano que vem.As autoridades temem que meio milhão de pessoas estejam correndo o risco de perder suas casas, incapazes de absorver esse aumento.Muitos analistas concordam que os juros devem ser congelados para facilitar a vida dessas pessoas, mas outros dizem que isso iria premiar pessoas que tomaram decisões imprudentes e embarcaram em dívidas sem as reservas necessárias para manter suas obrigações.A crise no mercado de hipotecas americano para pessoas com alto risco de inadimplência tem afetado há meses as bolsas de valores de todo o mundo, provocando instabilidade e baixas especialmente nas ações de bancos e empresas relacionadas ao setor da construção.No mês passado, o presidente do Fed, Ben Bernanke, disse que a economia do país deve sofrer uma desaceleração significativa no terceiro semestre deste ano, que o crescimento deve continuar lento no primeiro semestre do ano que vem e que só começar a dar sinais de recuperação na segunda metade de 2008.O Fed também reduziu a estimativa de crescimento dos Estados Unidos para o ano que vem para entre 1,8% e 2,5%. Até junho, a projeção era de crescimento de entre 2,5% e 2,75%. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.