Bush anuncia compra de ações de bancos pelo Tesouro dos EUA

Governo vai adquirir US$ 250 bi em participação acionária em milhares de instituições, diz 'WSJ"

Redação,

14 de outubro de 2008 | 09h04

O presidente dos EUA, George W. Bush, anunciou nesta terça-feira, 14, um novo plano de socorro ao mercado financeiro, que envolve a compra de ativos de grandes bancos. "Parte dos US$ 700 bilhões do plano de resgate vai ser investido na compra de ações. O novo capital vai ajudar os bancos a fazer empréstimos a empresas e pessoas. (O pacote) foi cuidadosamente planejado para que os bancos comprem de volta as ações quando mercado se recuperar", disse Bush. Segundo o presidente, a compra de ações é uma medida "essencial e de curto prazo".   Veja também: Austrália e Japão anunciam novas medidas para conter crise Bush fará novo pronunciamento sobre economia nesta terça Plano europeu de socorro a bancos soma US$ 2,28 tri, diz 'FT' Em meio à crise, empresas têm que pagar US$ 15 bi ao exterior Europa vai garantir dívidas bancárias por até 5 anos Reino Unido vai resgatar seus 4 maiores bancos, diz jornal Como o mundo reage à crise  Confira as medidas já anunciadas pelo BC contra a crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira    Segundo o jornal Wall Street Journal, o Tesouro dos EUA comprará cerca de US$ 250 bilhões em participação acionária em centenas ou talvez milhares de bancos norte-americanos. Bush disse ainda que o governo garantirá a maioria da nova dívida emitida pelas instituições. Além disso, o fundo garantidor (FDIC) expandirá seguro temporária e imediatamente aos bancos.   O presidente afirmou também que o Fed (banco central dos EUA) irá comprar papéis comerciais, de curto prazo. "Descongelando o mercado para esses papéis, vamos ajudar a criar empregos", disse Bush.    O presidente ressaltou ainda que as medidas anunciadas são limitadas e temporárias e que o governo não pretende se apoderar do livre mercado, e sim protegê-lo. Ele ressaltou que pode demorar um tempo para que o impacto do plano seja total.

Tudo o que sabemos sobre:
economiacriseEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.