finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bush anuncia medidas para atenuar crise imobiliária

Presidente do Fed, por sua vez, diz que instituição intervirá ''quando necessário''.

BBC Brasil, BBC

31 de agosto de 2007 | 15h28

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou nesta sexta-feira um pacote de medidas destinado a ajudar compradores de imóveis com dificuldades para quitar suas dívidas.Segundo analistas, o aumento do risco de inadimplência no mercado de hipotecas é a raiz da instabilidade que atinge as bolsas de valores de todo o mundo desde o mês passado.Uma das propostas de Bush para ajudar os endividados é permitir que aqueles que tenham um bom histórico de crédito obtenham um refinanciamento do saldo devedor em uma agência federal de habitação."Adotei como prioridade ajudar os proprietários de casas a atravessar esses desafios financeiros para que o máximo de famílias possa permanecer em suas casas", disse o presidente.Bush também prometeu trabalhar junto com o Congresso para reformar o sistema tributário e disse que não pretende intervir para ajudar os bancos que cederam os financiamentos aos compradores."Uma ajuda federal aos credores apenas iria incentivar o problema a ocorrer de novo", avaliou.Sobre a crise que atinge as bolsas, o presidente americano disse que "os mercados estão em um período de transição em que os participantes estão reavaliando e atribuindo novos valores aos riscos", disse Bush.O presidente ressaltou que o processo ainda deve demorar para ser concluído, mas que, enquanto continuar, "a economia americana como um todo vai permanecer forte o suficiente para dispersar qualquer turbulência".Pouco antes de Bush anunciar o novo pacote, o presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano), Ben Bernanke, disse que a instituição vai intervir "quando for preciso" para amenizar os efeitos da crise. Bernanke não revelou qual pode ser a próxima medida adotada pelo Fed. Analistas avaliam que o Banco Central americano vai acabar reduzindo a taxa básica de juros, atualmente em 5,25%, em pelo menos 0,25 ponto percentual na sua próxima reunião, em 18 de setembro, ou mesmo antes disso."Não é responsabilidade do Federal Reserve, nem é apropriado, proteger credores e investidores das conseqüências de suas decisões financeiras", disse Bernanke."Mas desdobramentos nos mercados financeiros podem fazer com que amplos efeitos econômicos sejam sentidos por muitos fora dos mercados, e o Federal Reserve precisa levar esses efeitos em consideração", acrescentou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
crisemercadosprevisãoanalistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.