Bush anuncia plano sobre hipotecas para evitar recessão

O presidente norte-americano, GeorgeW. Bush, anunciou nesta quinta-feira novas medidas para ajudarproprietários de imóveis em dificuldades para pagar suashipotecas, numa tentativa de evitar que a crise no setorimobiliário se alastre e leve a economia à recessão. O plano contempla que concessores privados de empréstimospermitam que alguns consumidores com taxas de juros previstaspara subir fortemente nos próximos meses possam refinanciar asoperações ou que a taxa seja congelada por cinco anos. A Casa Branca disse que o plano pode potencialmentebeneficiar 1,2 milhão de donos de imóveis. "As festas de fim de ano estão se aproximando e,infelizmente, essa será uma época de angústia paranorte-americanos preocupados com suas hipotecas e seus lares",disse Bush após uma reunião na Casa Branca com o grupo queelaborou o plano. "Não existe solução perfeita e os donos de imóveis merecemnossa ajuda", acrescentou. Bush também pediu que o Congresso aprove uma reformatributária para ajudar os donos de imóveis a refinanciar suashipotecas. A crise do mercado imobiliário provocou turbulência nosmercados de crédito mundiais e alimentou o medo entreinvestidores de que a economia norte-americana poderia entrarem recessão. Aproximadamente 1,8 milhão de donos de imóveis tomaramempréstimos com juros baixos mas agora enfrentam umarecomposição das taxas, segundo o Federal Reserve. Algumas pessoas que contrataram empréstimos considerados dealto risco entre 1o de janeiro de 2005 e julho de 2007 serãobeneficiados por um congelamento de cinco anos da taxa de jurosse enfrentarem uma recomposição das taxas nos próximos doisanos e meio. Os tomadores de empréstimos serão beneficiados se puderamcomprovar que possuem risco de crédito razoável, não puderempagar suas casas devido às altas taxas de juros e morarem nelas--numa tentativa de excluir do plano investidoresespeculativos. (Reportagem de Jeremy Pelofsky)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.