Bush culpa o congresso americano pela alta do petróleo

Democratas acusam o presidente de insistir em fazer perfurações exploratórias na plataforma continental

AP

12 de julho de 2008 | 14h31

O presidente George W. Bush culpou neste sábado, 12, o Congresso pelo encarecimento dos preços dos combustíveis e pediu que os congressistas eliminem as restrições às perfurações exploratórias na plataforma continental.  "É hora de os membros do Congresso acabarem com a dor que os altos preços da gasolina provocam em nossos cidadãos", disse o presidente. "Cada dólar extra que as famílias norte-americanas gastam com a gasolina é um dólar a menos que poderiam usar para pôr comida na mesa ou enviar a seus filhos na universidade. Os norte-americanos merecem algo melhor".  Os democratas responderam dizendo que são a favor das perfurações, mas acrescentaram que as companhias petroleiras não o fazem nem mesmo em zonas autorizadas. Eles perguntaram então por que perfurar em zonas protegidas nas quais ainda não há contratos.  O Partido Democrata insistiu que existem 27,5 milhões de hectares de terras e águas do governo onde as petroleiras têm autorização para perfurar, mas nas quais não produzem petróleo.  "Os norte-americanos estão cansados de pedir que se faça algo, mas o presidente Bush, em vez de oferecer uma resposta convincente, sempre repete o mesmo, que é preciso perfurar", disse o democrata Chris Van Hollen no programa de rádio de seu partido.  "Os democratas defendem mais perfurações. De fato, o que o presidente não diz é que as petroleiras já estão sentadas sobre mais de 27,5 milhões de hectares de terra do governo e que teriam a possibilidade de dobrar nossa produção de petróleo. É por isso que dentro em pouco os democratas votarão o "use ou perca", uma lei que forçará as grandes companhias a desenvolverem nossos recursos ou a perderem seus contratos para alguém que o faça", disse Van Hollen.  "Sabemos que só o fato de perfurar não resolverá o problema dos altos preços", disse o congressista. "Não podemos ser totalmente independentes por simplesmente perfurarmos."

Mais conteúdo sobre:
EUABushpetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.