Bush defende prisão de executivos que cometerem fraudes

O presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou que o governo pretende prender as pessoas que cometerem fraudes nos balanços. Bush disse que pretende ser duro contra fraudes porque isso afeta as fundações sobre as quais o país foi construído. "Eu estou muito preocupado sobre o país que... poderá perder a confiança no sistema de livre iniciativa, do qual sou um forte defensor. Mas entendo que isso exige confiança. E nós tivemos um abalo na confiança do povo americano, e precisamos fazer algo sobre isso", disse. Ele ainda criticou os executivos que se recusaram a testemunhar diante do Congresso. "Eu acho que as pessoas, obviamente se eles foram convocados, devem contar o que eles sabem, mas os advogados têm opiniões diferentes", disse Bush. Mais cedo, o ex-CEO da WorldCom Bernard Ebbers recusou-se a depor na Câmara evocando a 5ª Emenda da Constituição norte-americana, segundo a qual ninguém pode ser obrigado a prestar um testemunho em que possa incriminar a si mesmo. Anteriormente, o ex-executivo da Enron Kenneth Lay também disse que não tinha nada a dizer para o Congresso. O presidente também manifestou seu apoio ao presidente da SEC (a CVM dos EUA), Harvey Pitt, depois que diversos parlamentares pediram a sua renúncia. "Eu apóio Harvey Pitt. Harvey Pitt tem sido rápido em agir", disse Bush, acrescentando que ele é o "homem certo para o trabalho". Mas para fazer um trabalho melhor, Bush disse que a SEC precisa tanto de mais dinheiro e mais investigadores. O presidente também defendeu as empresas dizendo que a maioria dos executivo-chefes é honesto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.