Bush desafia países a acabar com subsídios agrícolas

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, prometeu acabar com todos os subsídios agrícolas se outros países fizerem o mesmo. "Temos de trabalhar juntos sobre as negociações de Doha (da Organização Mundial do Comércio) para eliminar os subsídios agrícolas que distorcem o comércio e freiam o desenvolvimento, assim como outras tarifas e obstáculos, para abrir os mercados aos agricultores de todo o mundo", declarou Bush em discurso pronunciado na sede da ONU, em Nova York. "Assumo hoje o seguinte compromisso: os Estados Unidos estão prontos a abolir todas as tarifas, subsídios e outros obstáculos ao livre-comércio de bens e serviços, sob a condição de que outros países façam o mesmo", garantiu o presidente americano. A OMC se prepara para realizar, em dezembro, uma reunião crucial em Hong Kong, e o governo americano insiste em que a União Européia (UE) tem que ser a primeira a cortar esses subsídios. "Expandindo o comércio, propagamos a esperança a quatro cantos do mundo e desferimos um golpe aos terroristas, que se alimentam do ódio e do ressentimento", acrescentou Bush. "Nosso compromisso com um comércio mais livre faz parte de um compromisso com um mundo melhor, onde as pessoas possam viver e educar seus filhos como quiserem", sustentou. A reunião ministerial em Hong Kong, marcada para de 13 a 18 de dezembro, tem como meta concluir um ciclo de quatro anos de negociações lançado em Doha, no Catar, cujo objetivo é aplicar um acordo comercial global a partir de 2006.

Agencia Estado,

14 Setembro 2005 | 17h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.