Bush diz que crise vai além de Wall Street e aposta em pacote

Presidente dos EUA volta a se pronunciar sobre turbulência financeira e pede tranqüilidade ao povo americano

Redação,

17 de outubro de 2008 | 10h01

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, voltou a se pronunciar nesta sexta-feira, 17, e afirmou que a crise financeira vai além de Wall Street (em uma referência às bolsas e ao mercado de Nova York). No entanto, o líder dos EUA ressaltou que o povo americano pode ficar tranqüilo que as ações do governo conseguirão trazer a estabilidade de volta ao país.   Veja também: Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  EUA anunciam compra de ações dos maiores bancos do país Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise    Bush destacou que o governo respondeu com medidas agressivas e que está preocupado em preservar a estabilidade do sistema financeiro. O presidente ressaltou ainda que as medidas econômicas foram tomadas para proteger o povo americano. "Se o governo não tivesse agido, famílias e firmas teriam tempos ainda mais difíceis e, mais tarde, o governo teria que atuar de forma ainda mais dura", disse. E completou: "Os americanos podem ficar tranqüilos".   Segundo o presidente, os EUA estão tomando ações sem precedentes para garantir a liquidez do mercado. "O Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA) está usando diversas ferramentas para injetar bilhões no mercado", disse. Além disso, destacou que o governo está investigando possíveis abusos no mercado.   Bush também citou o plano de US$ 700 bilhões de socorro às instituições financeiras e o uso de parte desse montante para comprar ações de grande bancos, medida anunciada na última terça-feira. Segundo ele, a ação tem como objetivo "ajudar os bancos a fazer o dinheiro girar, apoiar pequenos negócios e auxiliar o povo americano".

Tudo o que sabemos sobre:
George W. Bushcrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.