Bush e Hu Jintao discutiram crise por telefone, diz agência

Líderes trocaram idéias sobre a realização de reuniões de cúpulas internacionais, segundo a 'Xinhua'

Priscila Arone, da Agência Estado,

22 de outubro de 2008 | 13h36

O presidente da China, Hu Jintao, e seu colega norte-americano, George W. Bush, conversaram na terça-feira por telefone e discutiram a cooperação internacional para enfrentar as turbulências financeiras globais. A informação foi divulgada nesta quarta-feira pela agência estatal de notícias Xinhua. Os líderes trocaram idéias sobre a realização de reuniões de cúpulas internacionais sobre a crise, que devem acontecer em breve, e o fortalecimento da cooperação internacional para estabilizar os mercados financeiros, divulgou a agência.   Veja também: Governo autoriza estatização de instituições privadas no País Íntegra da MP no Diário Oficial  Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise    Bush disse que os EUA esperam realizar esforços conjuntos com a comunidade internacional para buscar medidas para superar a crise e manter a estabilidade da economia mundial.   Já Hu afirmou que a China tem percebido os esforços feitos pelo governo norte-americano com o objetivo de estabilizar o mercado financeiro doméstico. Ele expressou expectativa de que as medidas apresentem efeitos positivos o mais rapidamente possível, restaurem a confiança dos investidores e previnam a ampliação da crise.   As medidas devem conduzir à estabilidade da economia mundial e dos mercados financeiros, disse Hu. O governo chinês vem tomando uma série de importantes decisões para obstruir a crise financeira e manter a estabilidade dos mercados financeiro e de capitais, bem como assegurar o crescimento estável da economia, afirmou o presidente chinês.   O governo da China vai continuar a assumir uma atitude responsável em relação às populações chinesa e de outros países e trabalhar de perto com a comunidade internacional para manter a estabilidade da economia global e dos mercados financeiros, disse Hu. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.