Bush encontrará ministros do G-7 no sábado para tratar da crise

Presidente dos EUA diz que quer trabalhar junto com a Europa política anticrise; G-20 também realiza encontro

da Redação,

09 de outubro de 2008 | 12h53

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, receberá os ministros da Economia do G-7 (que inclui Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Grã-Bretanha e os EUA), membros do FMI e do Banco Mundial neste sábado para tratar da crise econômica, anunciou nesta quinta-feira, 9, a Casa Branca. Falando a repórteres no salão oval da Casa Branca nesta quinta após uma reunião com o presidente eslovaco Ivan Gasparovic, Bush disse que está comprometido em trabalhar com os líderes da Europa para desenvolver uma postura comum em relação à crise financeira.   Veja também:FMI age para garantir crédito a emergentes  Após socorro aos bancos, Lula deve ampliar apoio à agriculturaEm meio à crise, Mantega e Meirelles adiam viagem aos EUAConfira as medidas já anunciadas pelo BC contra a criseEntenda a disparada do dólar e seus efeitosAjuda de BCs mostra que crise é mais grave, diz economistaEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise Entenda o pacote anticrise que passou no Senado dos EUA  A cronologia da crise financeira Veja como a crise econômica já afetou o Brasil Entenda a crise nos EUA  O secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, minimizou a possibilidade de o G-7 anunciar um plano de resgate global durante o fim de semana. Contudo, a administração Bush estudamedidas mais dramáticas para atenuar a crise de crédito. Essas medidas poderiam incluir a compra de participação em bancos que estão em dificuldades. Perino afirmou que Paulson está "considerando ativamente" realizar injeções de capital nos bancos. A autorização para essa medida, disse a porta-voz, foi incluída no pacote de resgate de US$ 700 bilhões aprovado pelo congresso norte-americano na semana passada.  Para o presidente do Banco Mundial (Bird), Robert Zoellick, o G-7 precisa ficar "à frente da curva" e também ajudar os países mais pobres a lidar com seus problemas. "Eu espero que o G-7 aponte para uma ação coordenada que mostre que as autoridades estão à frente da curva", disse Zoellick antes do início da reunião do G-7 amanhã e do Bird e FMI no final de semana.  O grupo também deve olhar para além da turbulência financeira que está afetando seus países para que possa ajudar as nações mais vulneráveis. Como a crise é internacional "as ações e reformas precisam ser multilaterais", disse ele. Segundo Zoellick, os países pobres, que estão enfrentando o aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis, agora estão diante de um terceiro problema, porque as dificuldades financeiras continuam se espalhando. As informações são da Dow Jones.  Também no sábado, atendendo a um pedido do secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Henry Paulson, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, atual presidente do G-20 Financeiro, convocou uma reunião do grupo para discutir os desdobramentos da crise financeira sobre a economia mundial. O G-20 Financeiro é formado por ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais dos 19 países mais ricos mais a União Européia. A reunião ocorrerá na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, às 18 horas. "No exercício da presidência do G-20 Financeiro, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, decidiu convocar reunião extraordinária dos ministros de Fazenda, presidentes de bancos centrais e integrantes do bloco. O objetivo é discutir os aspectos da crise financeira mundial e seu impacto na economia global", informou Mantega, em nota. O secretário do Tesouro americano, Henry Paulson, deve abrir o evento e falar sobre a crise do ponto de vista de seu país. Também está previsto discurso do ministro brasileiro, além de uma apresentação de um representante do Ministério da Fazenda chinês. O presidente do Banco Central brasileiro, Henrique Meirelles, também deve participar do evento.Com o pedido para a realização do evento, Paulson deixa claro que os Estados Unidos querem atuar com alguma coordenação com as principais economias do planeta para enfrentar essa crise financeira, considerada a pior desde o Crash de 1929. Ação dos BCsNa última quinta, os principais bancos centrais do planeta já agiram de forma concertada no enfrentamento da crise, reduzindo as taxas básicas de juros. Apesar disso, a alta volatilidade nos mercados financeiros continuou ao longo do dia.  O G-20 Financeiro já tinha uma reunião prevista para ocorrer no Brasil em novembro, mas, diante da gravidade da situação internacional, considerou-se necessário uma rodada de conversas mais próxima, aproveitando-se da reunião do FMI, que começa hoje, em Washington.Criado em resposta às crises financeiras do fim dos anos 90, o G-20 é composto pelos seguintes países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coréia do Sul, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. A União Européia também faz parte do grupo, representada pela presidência rotativa do Conselho da União Européia e pelo Banco Central Europeu (BCE).var keywords = "";  (Com Regina Cardeal, da Agência Estado, e Efe) 

Tudo o que sabemos sobre:
crise nos EUABushG-7G-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.