Bush fará novo pronunciamento sobre economia nesta terça

Henry Paulson também deve anunciar detalhes de nova iniciativa para estabilização do mercado financeiro

Danielle Chaves e Suzi Katzumata, da Agência Estado,

13 Outubro 2008 | 21h23

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, vai se reunir com seu Grupo de Trabalho sobre os Mercados Financeiros às 8h30 (de Brasília) desta terça-feira, 14, e fará um pronunciamento sobre a economia às 9h05 (no horário de Brasília), no jardim da Casa Branca. Às 9h30 (de Brasília), o governo federal também pretende anunciar os detalhes das novas iniciativas para estabilização do mercado que irá implementar em resposta à crise financeira. O anúncio das medidas será feito pelo secretário do Tesouro, Henry Paulson, o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, e a presidente da Corporação Federal de Seguros de Depósitos, Sheila Bair.   Veja também: Dólar segue otimismo com plano europeu e afunda quase 8% Em meio à crise, empresas têm que pagar US$ 15 bi ao exterior Europa vai garantir dívidas bancárias por até 5 anos Reino Unido vai resgatar seus 4 maiores bancos, diz jornal Como o mundo reage à crise  Confira as medidas já anunciadas pelo BC contra a crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira      O Departamento do Tesouro informou, por meio de uma nota, que o anúncio vai cobrir "uma série de ações abrangentes para fortalecer a confiança pública nas nossas instituições financeiras e restaurar o funcionamento dos nossos mercados de crédito."   A sessão do Grupo de Trabalho sobre os Mercados Financeiros, que é liderado por Paulson, vem no momento em que são revelados novos detalhes sobre o plano do governo para resgatar a confiança no sistema financeiro. Fontes familiares com o assunto afirmaram ao Wall Street Journal que o governo deverá comprar ações preferenciais em várias instituições financeiras.   Bush tem falado quase diariamente sobre a crise financeira. Nesta segunda, pela manhã, o presidente americano repetiu seu compromisso de trabalhar na direção de uma resposta global coordenada para a turbulência no mercado financeiro.   Mais ações   O governo dos EUA deverá anunciar nesta terça-feira um programa com o objetivo de restaurar a confiança no sistema bancário norte-americano, com linhas semelhantes às dos planos anunciados por governos europeus, segundo o Wall Street Journal.   O programa teria sido discutido na tarde desta segunda em uma reunião entre o secretário do Tesouro, Henry Paulson, e representantes de grandes bancos. O ponto central do programa é a compra, pelo Tesouro, de cerca de US$ 250 bilhões em participação acionária em centenas ou talvez milhares de bancos norte-americanos, usando recursos do pacote de US$ 700 bilhões aprovado recentemente pelo Congresso.   Fontes disseram ao Wall Street Journal que a iniciativa deverá ser maior do que vários dos planos anunciados anteriormente; elas foram formuladas pelo Departamento do Tesouro, pelo Federal Reserve e pela Corporação Federal de Seguro de Depósitos (FDIC). Segundo o jornal, o governo planeja comprar ações preferenciais de nove grandes bancos.   Além disso, a FDIC deverá ampliar temporariamente as garantias para todos os depósitos bancários que não rendam juros, para além do limite de US$ 250 milhões por depositante aprovado há duas semanas pelo Congresso. Essa medida deve alinhar a política dos EUA à dos países europeus, que na última semana anunciaram garantias amplas para evitar que os clientes retirem grandes somas das instituições financeiras.   A FDIC também deverá estender, por três anos, suas garantias para novos títulos de dívida sênior preferencial emitida por bancos e caixas de poupança. Outras medidas ainda em estudos poderão incluir garantias temporárias para créditos, com o objetivo de ajudar os bancos a obterem empréstimos para financiar suas operações no dia a dia. As informações são da Dow Jones.   (Com Renato Martins)

Mais conteúdo sobre:
Crise nos EUA crise financeira Bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.