''Bush, meu filho, resolva sua crise''

De bom humor, Lula brinca com a platéia onde havia 40 empresários mexicanos, durante evento no Recife

Angela Lacerda, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2008 | 00h00

''Bush, meu filho, resolva a sua crise. Nós passamos 26 anos sem crescer e agora você quer atrapalhar?'' A fala do presidente Lula, durante discurso no Fórum Brasil-México, ontem, no Atlante Plaza, no Recife, refletiu o bom humor do presidente, e arrancou risos da platéia, que incluía 40 empresários mexicanos e cinco governadores. Lula se referiu à crise do setor imobiliário nos Estados Unidos e, na tirada com o presidente americano George W. Bush, chegou a oferecer ajuda. ''O Brasil tem know-how para salvar banco. Tem o Proer. Se eles precisarem, podemos mandar tecnologia para eles.''O presidente conclamou os empresários brasileiros e mexicanos a ampliarem suas relações comerciais e disse não se conformar com o fato de que as duas maiores economias e populações da América Latina tenham uma balança comercial de apenas US$ 5 bilhões. Disse ter visitado o México cinco vezes desde que se elegeu em 2003. ''Já me encontrei com o presidente Calderón no México e estou aguardando ansiosamente a sua vinda ao Brasil.''''Acho que o México tem uma dívida com o Brasil e o Brasil uma dívida com o México'', discursou. ''Falo para os (empresários) mexicanos: o que o Brasil pode oferecer ao México e o México ao Brasil?'' Para o presidente, é preciso aproveitar ''esse momento extraordinário''. Ele destacou que nenhum país pode se dar ao luxo de ficar dependente de um ou dois países na sua relação comercial.''É extremamente importante que haja diversificação na relação comercial'', avaliou, ao afirmar que o México é esperado de braços abertos para entrar no Mercosul. Disposto a continuar diversificando as relações internacionais e comerciais, o presidente disse que vai visitar a Indonésia e o Vietnã com esse objetivo.Lula considerou que o Brasil vive um momento mágico, em que há uma reconquista da cidadania e está se desfazendo o empobrecimento promovido durante décadas. Lembrou pesquisa de instituto francês que constatou que a classe C já representa 46% da população. ''São mais de 20 milhões de pobres que deixaram as classes D e E e ascenderam, começaram a virar o que chamamos de classe média baixa.''Lula disse, no entanto, que não existe milagre e pediu cautela. ''Estamos começando um processo, as coisas estão dando certo, mas temos de ter cautela, temos de ser comedidos até que a gente definitivamente transforme o Brasil em uma grande economia, um grande país industrialmente desenvolvido, exportador de inteligência e de valor agregado.''OFERTALuiz Inácio Lula da SilvaPresidente''O Brasil tem know-how para salvar banco. Tem o Proer. Se eles (os EUA)precisarem podemos mandar tecnologia para eles.''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.