Bush não anuncia medidas esperadas; mercados não reagem

Expectativa era de que Bush anunciasse congelamento por cinco anos da taxa de juro de algumas hipotecas

Agências internacionais,

06 de dezembro de 2007 | 16h49

O anúncio do presidente dos Estados Unidos George W. Bush nesta quinta-feira, 6, não animou os mercados. As bolsas em Nova York mantiveram a alta leve. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) seguiu o mesmo caminho e às 16h50 operava com alta de 0,26%.   A expectativa era de que Bush anunciasse um pacote de medidas que incluiria o congelamento por cinco anos da taxa de juro de algumas hipotecas do mercado subprime (com risco de calote), para evitar uma onda de execução de hipotecas, mas o presidente americano adiantou que o Congresso não enviou ao governo nenhum plano para ajudar mutuários.   Apesar disso, o presidente dos Estados Unidos exortou os parlamentares a aprovar a modernização das agências de habitação, assim como alterar a lei tributária para ajudar os mutuários. O Congresso, acrescentou Bush, também deve aprovar a reforma das agências de crédito.   O presidente dos EUA, contudo, anunciou algumas medidas para evitar que continue a crescer o número de execuções de hipotecas. O discurso em que o plano foi anunciado foi sobretudo político, sem a apresentação de detalhes. Algumas propostas são acordos voluntários entre provedores de créditos; outras envolverão órgãos do governo.   Bush disse que as execuções hipotecárias são "uma carga terrível para as famílias" e que o crescimento do número de casos "teria um impacto negativo na economia". Ele salientou que o governo dos EUA não vai ajudar "provedores de crédito ou especuladores". Segundo Bush, seu plano vai incluir a exigência de que bancos e financeiras apresentem informações mais detalhadas aos candidatos a empréstimos hipotecários.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado financeiroBushsubprime

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.