carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bush nega recessão e nega 2º pacote econômico nos EUA

Em coletiva, ele pediu também apoio a lei que permite monitorar comunicações.

Da BBC Brasil, BBC

28 de fevereiro de 2008 | 15h00

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta quinta-feira que não acredita que os Estados Unidos caminham para uma recessão e descartou, por ora, o lançamento de um segundo pacote econômico para estimular a economia do país."Nós veremos os efeitos do pacote de estímulo ao crescimento", disse o presidente, durante uma coletiva na Casa Branca, se referindo ao pacote bilionário que passou a vigorar neste mês. "Nós agimos com solidez.""Eu sei que há muita, aqui em Washington (...), (discussão sobre) um pacote de estímulo dois e todas essas coisas. Por que não damos ao pacote de estímulo um, que parecia uma boa idéia quando foi lançado, um tempo para funcionar?" Desde o ano passado, uma crise no mercado de crédito imobiliário provocou prejuízos em bancos americanos e quedas nas bolsas de valores, levando a economia do país a registrar uma desaceleração.LegislaçãoNa coletiva, Bush também pediu que o Congresso americano renove uma lei que permite que agentes do governo americano possam monitorar ligações telefônicas e e-mails sem mandados judiciais, durante investigações sobre possíveis extremistas.O Protect America Act deixou de vigorar neste mês sem que garantisse imunidade às empresas de telecomunicações que cooperassem com o governo, para que não fossem processadas.Vários ações legais foram lançadas contra essas companhias por pessoas que defendem o direito à privacidade, e o presidente americano quer que a lei seja renovada com a imunidade retroativa para as empresas que colaboraram com as investigações desde o 11 de Setembro."Sem a cooperação do setor provado, não podemos proteger o nosso país de um ataque terrorista", disse Bush, para quem a renovação é uma "prioridade urgente".Iraque, Cuba e RússiaOutro ponto abordado por Bush na coletiva foi a política externa. O presidente americano descartou novamente a possibilidade de retirar as tropas americanas do Iraque, dizendo que a ofensiva no país está dando resultados, e reforçou um pedido para que o Congresso aprove novas verbas para as operações militares no país asiático.Ele também pediu que a Turquia encerre rapidamente uma ofensiva que realiza no norte do Iraque contra rebeldes curdos. "Os turcos precisam avançar, avançar rapidamente, alcançar seus objetivos e sair", disse.O presidente também disse que acha importante que seu sucessor na Casa Branca mantenha uma relação pessoal com o candidato eleito para suceder Vladimir Putin nas eleições presidenciais deste dim de semana na Rússia."Nós (Bush e Putin) ainda temos uma relação cordial o suficiente para lidar com ameaças comuns e aproveitar oportunidades, e isso é algo importante que o próximo presidente (dos Estados Unidos) mantenha."Bush também descartou, mais uma vez, negociar sem pré-condições com o novo presidente de Cuba, Raúl Castro."Se sentar à mesa e ter nossa fotografia tirada com um tirano como Raúl Castro, por exemplo, associa a ele a imagem de nossa presidência e a imagem do nosso país a ele", disse o presidente americano.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
euataxadesempregotrabalhorecessão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.