Bush quer prazo maior para negociar tratados comerciais

O presidente George W. Bush pediu nesta quarta-feira a renovação do Trade Promotion Authority (TPA), conhecido como fast track, o mecanismo que dá ao Executivo a autoridade de fechar tratados comerciais internacionais sem que o Congresso possa fazer emendas. "Presidente de ambos os partidos (Republicano e Democrata) consideram esta autorização essencial para levar adiante acordos comerciais", afirmou Bush, em referência ao fast track, cujo prazo vence no dia 1º de julho deste ano.Um exemplo de acordo comercial que depende desta decisão é a Rodada Doha, que tem por objetivo avançar na liberação do comércio de produtos agrícolas, sendo que os subsídios à agricultura são o principal ponto das discussões. O fato é que, se a prorrogação do fast track não for aprovada, qualquer alteração em tratados comerciais será negociada entre o governo e os representantes do Congresso. Essa condição é considerada muito importante, porque dificilmente um governo se disporá a negociar um acordo complexo que os senadores e deputados americanos poderão modificar. Diante deste "entrave", os países têm considerado que o prazo para a Rodada Doha vence em 30 junho de 2007.Bush, que discursou em Nova York, fez referência às resistências dos democratas, que controlam a Câmara e o Senado, em renovar o fast track. "Sei que haverá um acirrado debate a respeito de comércio, e criticar acordos comerciais gera boas manchetes para o noticiário", disse Bush, que acrescentou que "criar um muro em volta do comércio americano seria desastroso? para a economia americana.Bush chegou a citar a Rodada Doha em seu discursos. Ele disse que está "comprometido" com o sucesso da Rodada Doha e que vai "trabalhar duro" para que isso aconteça. Muitos analistas acreditam que o a renovação do fast track poderá ajudar as negociações, que chegaram a um impasse em julho do ano passado, após Estados Unidos, Brasil e União Européia não terem conseguido chegar a um acordo relativo a subsídios agrícolas.Ressalvas democratasAlguns dos principais líderes democratas dizem estar dispostos a estender o fast track, desde que o mecanismo contenha dispositivos que protejam empregos de trabalhadores americanos, garantam que empregos não serão transferidos de uma cidade para outra ou mesmo para outros países e ofereçam ainda garantias de preservação ao meio ambiente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.