Bush: seria um erro adiar ou destruir o plano de estímulo

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse entender que alguns democratas e republicanos queiram emendar o pacote de estímulo econômico de US$ 150 bilhões anunciado ontem, mas pediu que o Congresso aprove rapidamente as medidas e sem emendas. "Acredito fortemente que seria um erro adiar ou destruir este plano", disse Bush a congressistas republicanos na Virgínia ocidental.O pacote, anunciado após dias de negociação entre o secretário do Tesouro, Henry Paulson, e representantes do Congresso, daria créditos fiscais a mais de 100 milhões de norte-americanos, limites maiores de empréstimos a negócios patrocinados pelo governo e redução de impostos para empresas.Mas os democratas do Senado - entre eles o presidente do Comitê de Finanças, Max Baucus - querem acrescentar emendas ao pacote, o que provavelmente atrasaria a aprovação das medidas no Congresso. Alguns democratas pedem a ampliação de benefícios aos desempregados, aumento dos vales alimentícios e mais investimentos em infra-estrutura - nenhum destes itens aparece no pacote apresentado ontem."Entendo o desejo, tanto da direita quanto da esquerda, de aumentar as provisões", disse Bush. "Este pacote é grande o bastante para afetar a economia de modo positivo; ele vai prover ajuda imediata e é temporário", declarou o presidente. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.