Bush veta entrada da Rússia na OMC

O presidente do Estados Unidos, George W. Bush, vetou o ingresso da Rússia na Organização Mundial do Comércio (OMC), um dos grandes objetivos de Putin na cúpula do G-8, que ocorre em São Petersburgo. O encontro é realizado entre os sete países mais ricos do mundo, juntamente com a Rússia, e tem como convidado o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As palavras do chefe da missão negociadora russa, Maxim Medvédkov, de que "nem hoje nem nas próximas semanas se assinará o protocolo" puseram fim a uma maratona de quatro dias de consultas ininterruptas com a parte norte-americana, encabeçada pela representante comercial dos Estados Unidos, Susan Schwab."Apesar de todos os esforços não foi possível conseguir um acordo sobre os temas pendentes", disse Medvédkov, citado pela agência Interfax, um pouco antes de Bush e do colega russo, Vladimir Putin, comparecerem à imprensa de São Petersburgo para falar sobre a reunião. Às vésperas da cúpula, Putin havia acusado os Estados Unidos de colocarem "impasses artificiais" ao acesso da Rússia na OMC, e advertiu que se um acordo comercial não fosse assinado com Washington, a Rússia se sentiria liberada dos compromissos que assumiu em negociações anteriores. Porém, o russo disse neste sábado que Moscou continuará trabalhando para ingressar na organização. O chefe do governo russo tentou retirar a culpa dos Estados Unidos por conta do fracasso nas negociações comerciais ao destacar que se tratava de um "processe complexo, de muitos anos". Negociações Rússia já fechou negociações comerciais bilaterais com outros países da OMC (149), à exceção dos Estados Unidos, o que impede seu ingresso na organização, já que para tanto precisa ter consentimento de cada um de seus membros. O chefe da Casa Branca, antes de chegar a São Petersburgo, assinalou que não havia acordo com a Rússia em âmbitos como a agricultura e a defesa da propriedade intelectual, e disse neste sábado que a parte americana leva a cabo "negociações justas". "Queremos que o acordo seja aprovado pelo Congresso", afirmou. Na quinta-feira passada, cerca de 20 senadores democratas, encabeçados pelo líder da minoria do Senado, Harry Reid, solicitaram a Bush que não se apressasse a fechar o acordo comercial com a Rússia. Anteriormente, alguns legisladores chegaram a pedir ao presidente que anulasse inclusive sua participação na cúpula do G-8, devido aos "retrocessos da democracia na Rússia". Decepção "Para a imensa maioria das companhias norte-americanas é uma decepção", disse à agência oficial russa Itar-Tass o presidente da Câmara de Comércio da Estados Unidos na Rússia, Andrew Sommers, ao comentar o fracasso das negociações comerciais. Os desejos de Moscou de ingressar rapidamente na OMC se chocam também com a decisão anunciada na última sexta-feira pela Georgia, que revogou a assinatura de seu protocolo comercial com Moscou. O ministro de Assuntos Exteriores da Georgia, Guela Bezhuashvili, anunciou que seu país já informou por escrito sua decisão à Rússia e à OMC. "Na etapa atual, Georgia não apoiará a entrada da Rússia na organização até que se resolvam todos os problemas relativos ao regime aduaneiro discriminatório que, lamentavelmente, a Rússia impôs às exportações georgianas", explicou. A Rússia proibiu recentemente as importações de vinhos, licores e águas minerais da Georgia.Outubro Porém, ainda resta uma esperança a Putin. Greff e Susan afirmaram que os dois países poderão completar para outubro o acordo sobre o ingresso da Rússia na OMC. "Só ficaram alguns pontos", mas parece que "são de princípio e nenhuma das partes está disposta a ceder", disse o negociados russo em conferência de imprensa. Susan explicou por seu lado, em uma entrevista paralela, que "foram feitos enormes progressos nos últimos dias e estão praticamente encerrados os capítulos de serviços e da indústria". A grande preocupação, segundo a norte-americana, são os processos sanitários e fitossanitários, para permitir o aumento das exportações agrícolas e pecuárias dos Estados Unidos à Rússia. No entanto, ambos coincidiram que o acordo poderá ser alcançado em outubro, que permitirá, segundo o russo, completar para a primavera do próximo ano a entrada da Rússia na OMC. Este testo foi atualizado às 16h42.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.