Cabe à Europa resolver seus problemas, diz premiê italiano

Mario Monti avalia que a zona do euro precisa de um calendário com intervenções concretas para tornar o euro mais estável e crível

Patrícia Braga, da Agência Estado,

18 de junho de 2012 | 16h45

Reunido no G-20, o primeiro-ministro Mario Monti afirmou estar convencido que seu país fez o dever de casa e que as autoridades da União Europeia devem cumprir com seus deveres, afirmaram fontes próxima ao líder italiano.

Após as ações dos bancos italianos terem caído novamente apesar do resultado na Grécia, Monti enfatizou que eventos importantes para a crise da zona do euro devem ocorrer no dia 22 de junho, quando se reúnem em Roma os líderes dos governos alemão, francês, espanhol e Italiano e na reunião do Conselho Europeu no final desta semana.

A zona do euro precisa de um "calendário com intervenções concretas para tornar o euro mais estável e crível", afirmou Mondi em entrevista à televisão italiana SKY. A União Europeia precisa de um plano pró-crescimento, afirmou ele, acrescentando que "duas as duas coisas são estritamente complementares".

Monti também disse que as atuais falhas nos problemas econômicos globais referentes ao equilíbrio foram originadas amplamente fora da Europa, principalmente nos EUA. Entretanto, ele reconheceu que a união monetária na Europa sofre com as falhas que os líderes não foram capazes de resolver desde que a moeda única foi lançada em 1999 e que isso precisa ser feito agora, pela própria UE, afirmou uma pessoa que faz parte da comitiva do primeiro-ministro italiano.

Monti se encontrou com a chanceler alemã, Angela Merkel a portas fechadas e deve participar de encontros similares com a presidente do Brasil, Dilma Roussef, e com a Comissão Europeia antes durante a reunião do G-20.

Tudo o que sabemos sobre:
MontiItáliaGréciacriseeuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.