EllaLink
EllaLink

Cabo de fibra óptica ligando Brasil e Europa começa a ser instalado em Fortaleza

Com investimento de R$ 1 bilhão, ligação entre a capital cearense e Sines, em Portugal, deve estar concluída no segundo trimestre de 2021

Camila Mathias, especial para o Estadão

14 de dezembro de 2020 | 18h34

FORTALEZA - O primeiro cabo submarino de fibra óptica que ligará o Brasil diretamente à Europa começou a ganhar corpo. Na manhã desta segunda-feira, 14, foi concluída a ancoragem do cabo na Praia do Futuro, em Fortaleza. Com um investimento de R$ 1 bilhão, as atividades de instalação marítima na capital cearense vão se estender pelos próximos meses. A previsão é que a rede entre em operação no segundo trimestre de 2021.

Segundo Marcelo Rehder, consultor da EllaLink, empresa responsável pelo projeto, a fibra óptica oferece, principalmente, uma melhor qualidade de acesso aos usuários. “Com esse cabo, você primeiro ganha segurança, já que é uma rota direta, e depois você ganha uma latência, que é o tempo em que uma informação leva para sair de Fortaleza, ir até Sines, em Portugal, e voltar, que será em menos de 60 milissegundos, a metade do tempo atual”, explicou Rehder. Atualmente, a ligação por cabo entre Brasil e Europa passa pelos Estados Unidos ou pela África.

Segundo a empresa, o projeto deve atender às necessidades crescentes do mercado latino-americano, fornecer conectividade contínua de alta velocidade entre os dois continentes, e, consequentemente, resultar em melhorias em todas as plataformas de telecomunicações. Negócios digitais, serviços em nuvem, bancos eletrônicos, mídia de entretenimento e jogos online vão se beneficiar com a estrutura.

A operação iniciada nesta segunda envolve logística e engenharia complexas. O sistema de cabos será instalado por dois navios distintos, sendo que o “Ile de Brehat” atuará em águas brasileiras, enquanto o “Ile de Sein” instalará o resto do sistema a partir de Sines. Durante o trajeto, o cabo será colocado a quase seis mil metros de profundidade.

No Brasil, a escolha por Fortaleza se deu pelo fato de ser um dos locais mais densos do mundo de ancoragem de cabos submarinos. Além disso, a capital cearense fica mais perto de Portugal do que da Flórida, por exemplo. Porém, o serviço será estendido para outras cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro, Lisboa, MadriMarselha

A operação também deve impactar a economia do Ceará, visto que a tecnologia poderá atrair mais investimentos, como explica Diego Matas, Diretor de Operações da EllaLink. “A redução da latência e melhora no desempenho da rede são determinantes para provedores de conteúdo, empresas de computação em nuvem e empresas financeiras. A diminuição de alguns milissegundos na latência traz impacto na lucratividade das operações de negociação”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.