Cabral diz que urgência sobre royalties é ‘violência institucional’

Governador do Rio disse que o governo fluminense já tem pronta uma Ação Direta de Inconstitucionalidade caso os parlamentares decidam derrubar os vetos da presidente

Felipe Werneck, da Agência Estado,

13 de dezembro de 2012 | 12h42

RIO - O governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, considerou "uma violência institucional, algo inusitado" a aprovação pelo Congresso Nacional de requerimento de urgência para analisar os vetos da presidente Dilma Rousseff a artigos do projeto de redistribuição dos royalties do petróleo.

Cabral reiterou que o governo fluminense já tem pronta uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) para ingressar no Supremo Tribunal Federal (STF) caso os parlamentares decidam derrubar os vetos da presidente.

Durante cerimônia no Palácio Guanabara, para assinatura do 100º contrato de microcrédito nas comunidades pacificadas do Rio, o governador foi enfático nas críticas à atitude dos deputados e senadores, que passaram a questão dos royalties à frente de outros mais de 3 mil vetos presidenciais. Mas, preferiu evitar polêmicas em torno da atuação da deputada de seu partido, Rose de Freitas (PMDB-ES), que presidiu a sessão.

"Eu não estava lá para julgá-la", esquivou-se Cabral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.