Cacciola cumprirá pena em regime semiaberto

O ex-banqueiro Salvatore Alberto Cacciola ganhou ontem à noite na Justiça o direito a cumprir o restante de sua pena em regime semiaberto. Com a decisão da juíza Roberta Barrouin Carvalho de Souza, da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Cacciola pode voltar a trabalhar e visitar a família durante o dia.

MARCELO AULER, Agencia Estado

28 de janeiro de 2011 | 17h26

Dono do Banco Marka, Cacciola foi condenado em 2005 a 13 anos de prisão por crimes contra o sistema financeiro. De acordo com o processo, ele teria coordenado uma operação de socorro irregular do Banco Central (BC) que provocou um prejuízo de R$ 1,5 bilhão aos cofres públicos. Preso em Bangu 8 desde 2008, o ex-banqueiro cumpre pena de 13 anos.

No ano passado, a desembargadora da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, Maria Helena Magalhães, chegou a conceder a progressão do regime ao ex-banqueiro, mas suspendeu o benefício a pedido do Ministério Público (MP), que alertou para o risco de uma nova fuga internacional de Cacciola. Preso preventivamente em 2000, o ex-banqueiro, que também tem cidadania italiana, aproveitou a concessão de um habeas corpus para fugir para a Itália. Em 2008, viajou para o Principado de Mônaco para assistir a um campeonato de tênis, onde foi preso novamente e extraditado para o Brasil.

Apesar do risco de uma nova fuga, a juíza Roberta Souza destacou em sua decisão que o "regime semiaberto sem benefícios é análogo ao regime fechado, e tais benefícios não são concedidos automaticamente a quem ingressa no regime de semi-liberdade". Para ganhar o direito de sair do presídio para trabalhar ou visitar a família, Cacciola precisa solicitar benefícios à justiça.

O advogado do ex-banqueiro, Manuel de Jesus Soares, informou que pretende entrar hoje com um pedido para que o preso possa passar os finais de semana com familiares. Além disso, o advogado espera apresentar na próxima semana uma proposta de emprego recebida por Cacciola, mas ele não quis adiantar detalhes sobre o possível novo trabalho do seu cliente.

O ex-banqueiro é um forte candidato ao uso de tornozeleira de monitoramento eletrônico. Um acordo firmado pelo Tribunal de Justiça do Rio e a Secretaria de Administração Penitenciária prevê que os presos em regime semiaberto usem o equipamento, que tem como objetivo evitar fugas. O advogado de Cacciola disse ainda não conhecer os termos do acordo, mas como seu cliente não cometeu nenhum crime hediondo, não seria candidato ao uso da tornozeleira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.