Cacciola ficará preso até que Brasil peça extradição

Um juiz de instrução de Mônaco decidiu em audiência hoje que o ex-banqueiro Salvatore Cacciola vai continuar preso até que o governo brasileiro formalize o pedido de extradição. A decisão foi tomada na segunda audiência desde que Cacciola foi preso, no sábado, dia 15. O ex-banqueiro chegou ao Palácio de Justiça, no distrito de Monaco-Ville, acompanhado de dois advogados, uma italiana e um monegasco. Na audiência, solicitada pelo juiz, os advogados de Cacciola foram comunicados sobre a decisão. Ao contrário do que se esperava, a defesa do ex-banqueiro não apresentou argumentos contra a prisão. A Justiça de Mônaco acredita que nos próximos dias a defesa deve pedir outras audiências para que seja entregue o pedido de liberdade de Cacciola.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.