Cade adia aprovação de siderúrgica da Vale no Ceará

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) adiou o julgamento previsto para hoje da parceria entre a Vale e a empresa sul-coreana Dongkuk Mill para construção de uma siderúrgica no distrito industrial de Pecém, no Ceará. O conselheiro Luis Fernando Rigato, ao anunciar que adiaria o julgamento, informou que vai pedir às empresas mais explicações sobre a operação.A construção da Companhia Siderúrgica Pecém, prevista no acordo entre a Vale e a Dongkuk Mill, assinado em novembro do ano passado, vai substituir o projeto da Ceará Steel, que não foi adiante por divergências sobre o preço do gás da Petrobras no processo siderúrgico, que mobilizaram a classe política cearense.À época do anúncio do negócio, o presidente da Vale, Roger Agnelli, declarou que o projeto previa investimentos de US$ 2 bilhões e uma produção inicial de 2,5 milhões de toneladas anuais de placas de aço, podendo ser expandida para até 5 milhões de toneladas ao ano. As secretarias de Direito Econômico (SDE) e de Acompanhamento Econômico (Seae) deram parecer favorável à aprovação sem restrições. DrogasilEm outro julgamento, o Cade aprovou hoje, por unanimidade e sem restrições, a venda da rede de drogarias Vison para a rede de drogarias Drogasil. A Vison tem várias lojas no Distrito Federal (DF) e tinha como sócio majoritário o senador Adelmir Santana (DEM-DF), presidente da Federação do Comércio do DF e do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae.De acordo com o relatório da Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), do Ministério da Fazenda, a venda foi realizada no último dia 13 de fevereiro pelo valor de R$ 28 milhões. A Drogasil, que adquiriu a Vison, tem lojas em três Estados (São Paulo, Minas Gerais e Goiás) e com a compra irá expandir sua rede. Os conselheiros do Cade aprovaram o negócio em rito sumário, procedimento de votação simbólica, sem discussões e aplicado quando o negócio é considerado simples e sem impactos relevantes para o ambiente de concorrência do setor a que se refere a operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.