Cade adia julgamento do mérito do caso Garoto-Nestlé

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) adiou a votação do mérito do processo de compra da Garoto pela Nestlé. O conselheiro Luiz Alberto Scaloppe pediu vista do processo. O relator da matéria, conselheiro Thompson Andrade, votou pela manutenção da decisão tomada pelo Cade, em fevereiro deste ano, que obriga a Nestlé a vender a empresa de chocolates Garoto. "A operação é qualitativamente inferior à anterior definida pelo Cade", disse Andrade, em relação à proposta feita pela Nestlé de vender 10% do mercado de chocolates sólidos e 20% do mercado de coberturas líquidas. Segundo ele, a proposta da Nestlé "não resolve os problemas trazidos pela concentração do mercado relevante". Os conselheiros Fernando Marques e João Grandino Rodas, que estão encerrando o mandato, abriram mão de votar, deixando esta decisão para os novos conselheiros. Ainda não tem data para o Cade retomar o julgamento. Scaloppe provavelmente será o presidente da sessão que julgará o processo, já que a nova presidente do Cade, Elizabeth Farina, está impedida por ter emitido parecer sobre a operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.