Cade aprova compra da Kaiser pela Molson

O Conselho Administrativo de DefesaEconômica (Cade) aprovou hoje por unanimidade a aquisiçãoda Cervejaria Kaiser pela canadense Molson Inc., realizada em 18de março deste ano. Os demais conselheiros aceitaram o argumentodo relator do processo, conselheiro Miguel Tebar, de que aoperação não coloca em risco a concorrência no mercado decervejas. Com ela, a Molson passará a deter 26% do mercado decervejas da Região Sul do País; 18,2% do da Região Sudeste, deGoiás e do Distrito Federal; 12,9% da Região Nordeste, doTocantins, Amapá e Pará e 3,7% dos demais Estados da RegiãoNorte. No entanto, os conselheiros do Cade determinaram que aComissão de Acompanhamento de Decisões (CAD), ligada àpresidência do Conselho, faça o acompanhamento da distribuiçãoda cerveja Bavaria. É que a Ambev realizava a distribuição destamarca de cerveja mas, segundo o relator, a Molson, quetransferiu as ações da Bavaria para a Kaiser, cancelou oscontratos e está realizando 92% da entrega dessa cerveja. Osconselheiros do Cade querem se certificar de que esse serviçopermanecerá com a Molson. A aquisição de 20% da Molson pela holandesa Heinekenainda será analisada pelo Cade. O processo está em fase deinstrução. Em maio, o Ministério da Fazenda já havia aprovado aaquisição. Os técnicos da Secretaria de Acompanhamento Econômico(Seae) concluíram que a nova empresa não criaria condições paraconcorrência desleal. Essa análise foi feita calculando qualfatia de mercado a Molson passará a controlar a partir daaquisição da Kaiser do Brasil, da Kaiser Paracatuba, dasCervejarias Kaiser Nordeste, Cervejas Kaiser Goiás e a partir datransferência, para a Kaiser Brasil, de 100% das ações daBavária. Para melhor analisar o impacto econômico da transação,os técnicos dividiram o mercado brasileiro em cinco áreas ecalcularam a fatia de mercado da Molson em cada uma delas. "Aanálise elaborada pela Seae concluiu que a concentraçãoeconômica decorrente da operação não traz riscos à concorrênciano segmento de cervejas", informava uma nota da secretariadistribuída na ocasião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.