Paulo Vitor|Estadão
Paulo Vitor|Estadão

Covid-19

Quem se recupera antes da crise: Europa ou Estados Unidos?

Cade deve aceitar proposta da Petrobrás de vender quase 50% das refinarias

O acordo será analisado pelo tribunal do Cade na sessão desta terça-feira, que deve homologar o entendimento

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2019 | 20h26

BRASÍLIA - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Petrobrás fecham nesta terça-feira, 11, acordo que prevê a venda de refinarias da estatal. De acordo com fontes, o órgão deve aceitar os termos propostos pela Petrobrás, que representam a venda de pouco menos de 50% da capacidade de refino da estatal.

Como antecipou o Estadão/Broadcast na semana passada, a Petrobrás apresentou a proposta de vender refinarias com a intenção de fechar um acordo com o conselho e encerrar investigações contra a petroleira por abusos no mercado de refino de petróleo.

O acordo será analisado pelo tribunal do Cade na sessão desta terça-feira, que deve homologar o entendimento. Como é do interesse do governo vender ativos da estatal, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, participará da sessão.

O compromisso chegou a constar na agenda de Albuquerque como "homologação" do acordo, mas, mudou para "deliberação" um pouco depois, já que os conselheiros ainda votarão pela aceitação do acordo.

No fim de abril, o conselho de administração da Petrobrás aprovou um plano de venda de oito de suas 13 refinarias, que representaria cerca de 48% da capacidade de refino. Segundo fontes, o acordo fechado com o órgão ficará "bem próximo" do plano aprovado e divulgado, à época, em fato relevante.

Os ativos aprovados para a venda pelo conselho são: Refinaria Abreu e Lima (Rnest), Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), Refinaria Landulpho Alves (Rlam), Refinaria Gabriel Passos (Regap), Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), Refinaria Isaac Sabbá (Reman) e Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor).

Um segundo acordo está sendo negociado entre a Petrobrás e o Cade para a venda de ativos no mercado de gás, mas as conversas ainda são incipientes.

Governo

A celebração de um TCC entre Petrobrás e o Cade para a venda de ativos no refino agrada o governo, a estatal e o próprio conselho.

Um acordo com o órgão facilitaria o trabalho do governo nesse sentido, já que partiria do regulador a exigência da venda de ativos, cabendo à estatal cumprir a determinação. Isso evitaria discussões sobre o processo de desinvestimentos e alcançaria também os objetivos do Cade de aumentar a concorrência no setor de combustíveis, que é alvo de várias investigações no conselho.

Em janeiro, em entrevista ao Estadão/Broadcast, o presidente do Cade, Alexandre Barreto, previu que o inquérito para investigar a concentração da Petrobrás no mercado de refino de petróleo terminaria em acordo.

O Cade decidiu abrir inquérito para investigar se a Petrobrás abusa de sua posição dominante no refino de petróleo no fim do ano passado.

A suspeita do órgão é que a estatal, que tem 98% desse mercado, tira proveito da situação de quase monopólio para determinar os preços dos combustíveis no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.