Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Cade deve trocar acusação de cartel por multa

Empresas dos setores de cimento e carnes estão negociando com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) acordos inéditos nos quais, em troca do pagamento de multas milionárias, serão arquivadas acusações de formação de cartel. A fabricante de cimento Lafarge e o frigorífico Friboi estão com as negociações mais avançadas, mas ainda falta definir valores das multas.Um valor já mencionado no caso da cimenteira foi o de R$ 40 milhões, o equivalente a 10% do faturamento bruto anual da companhia no ano passado. A legislação permite a punição de 1% a 30% do faturamento de uma empresa. O valor ainda está em negociação. Os acordos deverão ser firmados no dia 28.O Cade regulamentou este ano a possibilidade de celebrar acordos desse tipo com empresas acusadas de evitar a competição por meio da divisão de mercados ou acerto de preços de produtos (cartel). A primeira tentativa foi feita no ano passado com as indústrias processadoras de suco de laranja acusadas de formar cartel na compra da fruta. Essas empresas concordaram em pagar R$ 100 milhões para encerrar as investigações, mas, na época, a tentativa foi abortada porque não havia previsão legal para isso. Este ano, após uma medida provisória que se tornou lei ter dado a possibilidade, as empresas voltaram a tratar do tema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

20 de novembro de 2007 | 10h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.