Cade quer condenar por cartel 11 fabricantes de próteses

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou a condenação de onze fabricantes de órteses e próteses ortopédicas por prática de cartel em licitações promovidas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no Estado de São Paulo. A recomendação está em despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 14.

LUCI RIBEIRO, Agencia Estado

14 de fevereiro de 2014 | 11h57

O texto também sugere aplicação de sanção administrativa à Associação Brasileira de Ortopedia Técnica (Abotec) por elaboração e divulgação de tabela de preços a ser seguida por empresas do setor em licitações públicas. O caso agora será encaminhado para o julgamento do Tribunal do Cade, que pode acatar ou não a recomendação de condenação.

Segundo informações do Cade, o processo administrativo contra as empresas e a Abotec foi aberto a partir de denúncia apresentada em 2004 pela Gerência Regional do INSS em Bauru (SP). Há evidências, de acordo com a Superintendência do órgão, de que as fabricantes teriam organizado um esquema de rodízio, definindo previamente as vencedoras de processos licitatórios organizados pelo INSS, o que configura a prática de cartel. As licitações foram feitas para aquisição de produtos ortopédicos para as gerências regionais do INSS no Estado de São Paulo.

Caso sejam condenadas, as empresas poderão pagar multas de até 20% do valor de seu faturamento no ano anterior à instauração do processo. Já a Associação está sujeita ao pagamento de multa que varia entre R$ 50 mil e R$ 2 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
Cadeprótesescartel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.