mercado

Neon compra Magliano, a primeira corretora registrada na bolsa de valores do Brasil

Cade recomenda aprovação da compra da GVT pela Telefônica

Superintendência Geral do órgão de defesa econômica propõe que operação seja aprovada, mas com restrições

O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2015 | 02h05

A Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou a aprovação com restrições da aquisição da operadora de banda larga GVT pela Telefônica Brasil, condicionando o negócio à assinatura de acordos em controle de concentração entre a autarquia e a Telefônica Brasil e também com a francesa Vivendi, antiga dona da GVT.

A recomendação foi publicada ontem no Diário Oficial.

A Telefônica planeja incorporar a GVT à Vivo, sua marca de telefonia móvel no Brasil, para criar o maior grupo de telecomunicações do País.

A Superintendência Geral do Cade também recomendou a aprovação com restrições da operação para cindir a holding Telco, veículo de participação de outras sociedades na Telecom Itália, dona da TIM. A Telco é detida pela espanhola Telefónica, Assicurazioni Generali, Intesa Sanpaolo e Mediobanca. Para essa operação, a Superintendência do Cade recomendou assinatura de acordo em controle de concentração com a espanhola Telefônica.

A exigência de saída da Telefônica do capital da controladora da TIM foi condição estabelecida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para aprovar a cisão da Telco.

No caso da compra da GVT, após consultas ao mercado e à Anatel, verificou-se que, embora a atuação de Telefônica e GVT seja complementar na maior parte do Brasil, a operação resulta em concentrações relevantes em alguns municípios do Estado de São Paulo.

Segundo o Cade, os termos dos acordos com as companhias serão mantidos em confidencialidade até o julgamento final dos processos, que agora seguem para o Tribunal do órgão antitruste. / LUCI RIBEIRO, COM REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.