Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Caem saques em fundos DI e renda fixa

O volume de saques nos fundos de renda fixa prefixada e nos fundos referenciados DI (pós-fixados) está diminuindo, mas a retomada da confiança do investidor ainda é lenta. Um estudo do site Fortuna mostra que a maior saída de recursos nessas carteiras aconteceu no mês de junho, quando os fundos DI registraram saques R$ 8,570 bilhões e os fundos prefixados, R$ 9,818 bilhões. De lá para cá, os saques diminuíram, mas o saldo ainda permanece negativo.Para se ter uma idéia, no mês passado, a captação líquida dos fundos DI ficou negativa em R$ 1,288 bilhão e, em novembro, até o dia 5, os saques estavam em R$ 247,950 milhões. Já os fundos de renda fixa prefixada registraram saques de R$ 899,882 milhões em outubro e até o dia 5 de novembro, R$ 696,971 milhões. No acumulado do ano, o estudo do site Fortuna apontou captação líquida negativa acumulada em R$ 55,277 bilhões, considerando-se os fundos DI e as carteiras de renda fixa prefixada.De acordo com o diretor do site Fortuna, Marcelo D´Agosto, atrair novamente o interesse dos investidores para os fundos de investimento é o grande desafio dos gestores nesse momento. "Com as mudanças na forma de precificação dos títulos que compõem as carteiras, a chamada marcação a mercado, criou-se uma crise de confiança entre os investidores. Os recursos estão migrando para outros segmentos, como os CDBs, mas entre os fundos são poucos os que voltaram a atrair recursos", afirma. Veja nos links abaixo como está o fluxo de recursos para os fundos cambiais, fundos de ações e multimercado.Marcação a mercadoA adoção da regra de marcação a mercado provocou variação negativa no valor das cotas de muitas carteiras. O fato é que houve uma desvalorização dos títulos que estavam na composição dos fundos de renda fixa prefixada e fundos DI. Como, a partir daquele momento, a contabilização dos papéis deveria ser feita não mais pelo valor de face, mas pelo valor de mercado, houve perdas para muitas carteiras. Para entender o prejuízo para o investidor que ficou com recursos em um fundo de investimento que calculava suas cotas pelo valor de face dos títulos e passou a adotar o valor de mercado, a chamada marcação a mercado, veja o exemplo de uma carteira com apenas dois investidores. Cada um aplicou R$ 50 mil. Assim, se uma cota valia R$ 5 mil, cada investidor comprou dez cotas. O fundo, portanto, conta com um patrimônio inicial de R$ 100 mil e 20 cotas.Vamos supor também que seguindo a regra anterior, do valor de face, as quotas estivessem valendo R$ 5,5 mil, o que corresponde a um patrimônio de R$ 110 mil. Supomos também que de fato, considerando a regra de marcação a mercado, o valor da quota devesse ser de R$ 4,5 mil, e o patrimônio de R$ 90 mil. Como vemos neste exemplo, o valor indicado pelo fundo - patrimônio de R$ 110 mil - está R$ 20 mil acima do valor efetivo e correto, considerando o preço que se conseguiria nos títulos se fossem vendidos a valor de mercado. Neste quadro, imagine que o investidor A toma conhecimento que seu investimento de R$ 55 mil vale apenas R$ 45 mil - 50% do patrimônio do fundo -, mas que isso ainda não está indicado no valor da quota, por conta da regra contábil adotada pelo gestor. Então, este investidor mais informado resgata suas quotas ao valor dos R$ 55 mil e deixa as demais quotas para o investidor B. E o que acontece com o patrimônio de B? Assim que o gestor ficou obrigado a mostrar o valor efetivo da quota, pela marcação a mercado, seu patrimônio cai para R$ 35 mil. Temos aí a diferença dos R$ 20 mil em relação ao saque do investidor bem informado: R$ 10 mil referente à perda que era de fato do investidor A e outros R$ 10 mil que eram de fato do investidor B. O investidor B pagou a conta e o investidor A saiu no lucro.Veja a movimentação de recursos nos fundos DIMês (em 2002)Mês (em 2002)Captação líquida (R$)Captação líquida acumulada no ano (R$)RentabilidadeJaneiro1.176.799.7401.176.799.7401,45%Fevereiro-858.855.630317.944.1101,17%Março-101.321.011216.623.0991,28%Abril-1.200.542.372-983.919.2731,37%Maio-1.120.107.819-2.104.027.0920,37%Junho-8.570.468.948-10.674.496.0410,98%Julho-6.455.216.213-17.129.712.2531,15%Agosto-4.845.598.678-21.975.310.9311,24%Setembro-2.063.341.605-24.038.652.5361,37%Outubro-1.288.092.341-25.326.744.8771,58%Novembro*-247.950.880-25.574.695.7570,22%* Até o dia 5 de novembroFonte: Site Fortuna Veja a movimentação de recursos nos fundos de renda fixa prefixadaMês (em 2002)Mês (em 2002)Captação líquida (R$)Captação líquida acumulada no ano (R$)Rentabilidade Janeiro2.383.764.2422.383.764.2421,40%Fevereiro1.118.482.3873.502.246.6291,16%Março-581.481.9842.920.764.6451,22%Abril-2.327.887.891592.876.7541,32%Maio-1.015.101.526-422.224.773-0,31%Junho-9.818.734.142-10.240.958.9150,90%Julho-8.207.916.343-18.448.875.2580,91%Agosto-7.966.945.159-26.415.820.4171,15%Setembro-1.690.028.703-28.105.849.1201,38%Outubro-899.882.962-29.005.732.0821,79%Novembro*-696.971.146-29.005.732.0820,25%* Até o dia 5 de novembro Fonte: Site Fortuna

Agencia Estado,

12 de novembro de 2002 | 17h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.