coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Caem vendas de consórcios

O movimento mais fraco nas vendas de cotas nos segmentos de veículos e eletroeletrônicos foi o principal motivo para a queda nos resultados das administradoras de consórcios no primeiro trimestre do ano. O volume de cotas novas comercializadas caiu 11,6% no período, passando de 405 mil até março de 2001 para 358 mil cotas de janeiro a março de 2002.De acordo com a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), a redução nas vendas de eletroeletrônicos foi de 42%. Já no segmento de veículos, a queda alcançou 2,6% no primeiro trimestre do ano, ante o mesmo período de 2001.Para a presidente da Abac, Consuelo Amorim, apesar do desempenho negativo, a média diária de vendas de consórcios permaneceu estável em 5,9 mil cotas nos primeiros três meses de 2002. As contemplações subiram de 182 mil para 184 mil no período.O total de participantes no sistema de consórcios também cresceu e alcançou 2,88 milhões de pessoas no fim de março, ante 2,80 milhões de participantes em março de 2001, um aumento de 2,9%. A inadimplência foi de 11,4%.VeículosO segmento de veículos - que inclui novos, usados, nacionais, importados, automóveis, motos e veículos pesados - continua sendo o principal nicho das administradoras, correspondendo a 2,46 milhões de participantes, volume 2,5% superior ao do fim do primeiro trimestre do ano passado. De janeiro a março, entretanto, as vendas caíram 2,6%, de 288,3 mil cotas comercializadas em 2001 para 280,7 mil cotas no primeiro trimestre deste ano.O segmento de usados foi o de maior índice de crescimento dentre de veículos, com uma evolução de 24,5%, para 74 mil consorciados. Já o segmento de veículos pesados, que inclui, caminhões, ônibus e implementos, aumentou 4%, para 111,3 mil consorciados.Duas rodasO destaque permaneceu com o segmento de duas rodas, que representa quase a metade dos participantes em consórcios de veículos. O número de consorciados de motos já superou 1,43 milhão de pessoas, crescendo 12,6% no primeiro trimestre do ano.EletroeletrônicosA maior queda registrada pelas administradoras ocorreu nas vendas de eletroeletrônicos. Mesmo mantendo estabilidade no total de participantes, em 320 mil pessoas, a comercialização de novas cotas caiu 42%. De acordo com a Abac, as vendas somaram 59,7 mil cotas de janeiro a março ante 103,5 mil cotas no mesmo período do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.