Café cai 3% com colheita no Brasil

As cotações do café tiveram forte queda na Bolsa de Nova York, ontem, por causa das condições climáticas favoráveis à colheita da safra 2010/11 no Brasil, maior produtor mundial da commodity. O contrato setembro, o mais negociado, cedeu 3,21%, para 158,55 centavos de dólar por libra-peso. O tempo secou nas áreas produtoras, após alguns dias de chuva, permitindo o avanço do trabalho do campo. O mercado também foi direcionado pelo comportamento dos fundos de investimento que, com base em parâmetros técnicos, resolveram vender contratos do grão.

Análise: Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2010 | 00h00

Na Bolsa de Chicago, os preços do milho caíram igualmente sob a influência do clima. Choveu nas áreas produtoras dos Estados Unidos, onde as lavouras da nova safra se desenvolvem e precisam de umidade. O contrato setembro do grão, o mais negociado, perdeu 1,97%, para fechar em US$ 3,74 por bushel. A alta do dólar ante o euro e outras moedas foi outro fator responsável pela queda dos preços de várias commodities agrícolas. Isso porque a valorização da divisa americana torna os produtos vendidos nessa moeda mais caros para os importadores.

Sustentada pela demanda internacional, especialmente da China, e pelos ganhos no petróleo, a cotação da soja conseguiu se desvincular do dólar e do clima e subiu em Chicago. O contrato novembro ganhou 0,10%, em US$ 9,73 por bushel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.