ERNESTO RODRIGUES | AE
ERNESTO RODRIGUES | AE

Café de Cuba chega ao mercado americano

Em cápsulas da Nespresso, café será o 1º produto cubano vendido nos Estados Unidos após embargo

Jamil Chade CORRESPONDENTE, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2016 | 05h00

Com o fim do embargo comercial contra Havana, o primeiro produto cubano que ganhará as lojas dos EUA não será nem o cigarro e nem o rum. Os suíços da Nestlé anunciaram na segunda-feira, 20, que começarão a importar ao mercado americano o café produzido em Cuba, depois de 50 anos de uma relação comercial congelada pela Guerra Fria. O produto será usado em cápsulas para o Nespresso.

As vendas estão sendo planejadas para que possam ocorrer já em setembro, em mais um sinal claro da normalização das relações entre americanos e cubanos. Por anos, foram os suíços que agiam como intermediários diplomáticos entre Washington e Havana. Agora, passarão a tirar vantagens comerciais de 50 anos de “bons ofícios”.

Num primeiro momento, o café será usado para uma nova cápsula, que ganhará o nome de Cafecito de Cuba. O produto estará disponível nas lojas da Nespresso e no seu e-commerce.

Mas, para o presidente da Nespresso USA, Guillaume Le Cunff, o objetivo será o de construir uma relação para garantir um abastecimento de longo prazo do café cubano para o mercado americano. “Não estamos encarando isso como um projeto de curto prazo”, disse. “Esse é o ponto de partida de uma iniciativa de longo prazo”, insistiu o executivo.

Entre as dezenas de medidas que o governo de Barack Obama anunciou em relação ao mercado cubano, uma delas permite que os cidadãos americanos possam viajar até a ilha e trazer bebidas e cigarros em um total de US$ 100. Mas a importação regular dos dois principais produtos ainda está bloqueada por falta de leis que permitam a distribuição.

Mas, em abril, uma nova lei permitiu que o café fosse comercializado e que saísse da lista dos produtos sob embargo. A Nestlé não demorou para usar a brecha e começar a fornecer o produto para o maior mercado do mundo.

Num primeiro momento, a empresa vai comprar o café cubano via Europa, destino para onde o café já é enviado e processado. Mas a empresa já planeja um abastecimento direto de uma economia praticamente em sua fronteira.

Padronização. A Nestlé fechou um acordo com a ONG TechnoServe, dos EUA, para ajudar os produtores cubanos a colher um café nos padrões que atendem ao mercado mundial, elevando a produtividade. Para isso, precisarão garantir novos equipamentos para os fazendeiros cubanos, assim como financiamento.

Hoje, a agricultura cubana é administrada em pequenos lotes de cooperativas. Sua produção é, então, vendida ao governo, que toma a decisão de vender no mercado doméstico ou exportar.

Dados oficiais apontam que Cuba tem uma produção anual de 100 mil sacas de café arábica. Ainda que seja cinco vezes o volume da Jamaica, o montante é apenas uma fração da produção colombiana de 13,5 milhões de sacas ou das 49 milhões de sacas previstas no Brasil em 2016 para todos os tipos de café.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.