Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Café recua 5,69% em Nova York com realizações de lucro

Cenário: Ana Conceição

O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2011 | 03h07

O contrato do café arábica com vencimento em dezembro fechou com queda forte na Bolsa de Nova York, pressionado por realizações de lucro. A cotação, que chegou a atingir o maior nível em cinco semanas no início do pregão, recuou 5,69%, para 236,55 centavos de dólar por libra-peso.

As fortes chuvas sobre as áreas produtoras da Colômbia e da América Central acenderam as preocupações com a já apertada oferta de café de boa qualidade no mundo. Tais condições provocaram uma forte elevação de preços no mercado futuro recentemente e, ontem, participantes da bolsa do grão resolveram embolsar os ganhos. Analistas, contudo, acreditam que o recuo dos preços é temporário, ainda mais se houver a confirmação de perdas na produção daquelas duas regiões.

Nos últimos 12 meses, os preços do café acumulam alta de 25% em Nova York. O retorno do La Niña - um fenômeno climático periódico que aumenta a incidência de chuvas no oeste do Oceano Pacífico e que prejudicou a produção agrícola de Austrália, América do Sul e Estados Unidos no ano passado - agora ameaça impulsionar ainda mais as cotações do grão. "Se as condições climáticas continuarem reduzindo as expectativas sobre a produção da safra centro-americana e colombiana em 2011/12, os preços podem facilmente se recuperar para as máximas de 2011", disse o analista Keith Flury, do Rabobank, para a agência Dow Jones. A Colômbia é o maior produtor mundial de café arábica lavado, um tipo de grão de alta qualidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.