Cai a participação dos trabalhadores no PIB, cresce a de empresas

A fatia do Produto Interno Bruto (PIB) direcionada ao bolso dos trabalhadores caiu no primeiro ano do governo Lula, enquanto cresceu a parcela das empresas. Segundo dados divulgados hoje pelo IBGE, o arrocho sobre os trabalhadores que começou em 2001 prosseguiu em 2002 e no ano passado. A remuneração dos empregados passou do equivalente a 36,1% do PIB em 2002 para 35,6% em 2003. Já havia sido registrada redução de 2002 (37,9%) para 2001 (37%) e daí para 2002 e 2003.Por outro lado, o lucro (excedente operacional bruto) das empresas cresceu no período, passando do equivalente a 41,9% do PIB em 2002 para 43% em 2003. Segundo o IBGE, a fatia do lucro das empresas no PIB vem crescendo de forma consecutiva desde 1999 e, no ano passado, foi beneficiada pelo câmbio, que reduziu o pagamento de juros das empresas de R$ 70 bilhões em 2002 para R$ 58 bilhões em 2003, já que grande parcela dos empréstimos estavam cotados em dólar.Números do IBGEO IBGE informou hoje que as revisões do cálculo do PIB mostram que o primeiro ano do governo Lula teve crescimento de 0,5% e não contração de 0,2%, como havia sido divulgado anteriormente. Segundo o gerente de contas trimestrais do IBGE, Roberto Olinto, o principal impacto para a mudança foi a redução da queda da construção civil, de uma variação de -8,6% para -5,2% em 2003. Os novos cálculos levam em conta a nova série da pesquisa industrial mensal do IBGE.O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, comemorou o crescimento do PIB em 2003"Esse é um dado importante porque o País saiu de uma crise cambial em 2002, mas já começou a crescer no primeiro ano após essa crise", disse Meirelles, lembrando que outras economias que viveram situações semelhantes a do Brasil em 2002 tiveram no ano seguinte uma queda de PIB.Leia mais sobre o PIB:Lula está eufórico com resultado do PIB, diz ministroIBGE revê recessão do primeiro ano do governo LulaPalocci diz que crescimento veio sem "mágica ou medida exótica"País cresceu mesmo após a crise de 2002, destaca MeirellesPIB norte-americano cresce acima do esperadoPIB cresce 6,1% no terceiro trimestre; maior alta em 8 anos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.