Cai a procura por gás combustível

A política de desestímulo ao consumo de gás natural veicular (GNV) já vem obtendo resultados, na avaliação de especialistas e de gente que lida com o combustível no dia-a-dia. Fabricantes de cilindros e oficinas estimam uma queda de 50% nas vendas desde as primeiras declarações de representantes do governo contra o combustível, em novembro de 2007. O GNV foi o combustível que teve maior aumento de preços no ano passado, com alta de 7%, e a tendência é que os reajustes se mantenham ao longo de 2008. Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do GNV já acumula aumento de 5,9%. A alta é puxada pelo Estado do Rio de Janeiro, onde a mudança no cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) provocou reajuste de 11,43% em três semanas. E a onda vai se espalhar em outros Estados. No Rio Grande do Sul, a distribuidora local Sulgás reajustou o preço do GNV em 5,5% no dia 17. A empresa repassou os aumentos feitos pela Petrobras no ano passado. Preço maior é uma das estratégias do governo para conter o consumo do combustível, face ao desequilíbrio entre oferta e demanda de gás natural no País. Há dois anos, a Petrobras retirou descontos concedidos às distribuidoras de gás desde 2003. Os preços passaram a acompanhar mais de perto a cotação internacional dos derivados de petróleo, que rege o contrato de importação da Bolívia e é parâmetro para a formação de preço do gás nacional. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.