Christian Hartmann/Reuters
Christian Hartmann/Reuters

Cai o crédito externo a empresas brasileiras

Dados do Banco de Compensações Internacionais mostram queda de US$ 5,46 bi no segundo trimestre, liderada pelos bancos

Fernando Nakagawa, correspondente, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2015 | 02h05

O estoque de empréstimos tomados por clientes brasileiros em bancos no exterior diminuiu em US$ 5,460 bilhões no segundo trimestre de 2015. Os dados foram divulgados ontem pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês). A queda do endividamento foi liderada pelos bancos, mas as empresas não financeiras voltaram a tomar crédito.

Dados trimestrais do BIS revelam que a exposição do setor privado brasileiro à dívida bancária internacional diminuiu no agregado no segundo trimestre para US$ 295,459 bilhões. O valor está bem abaixo do pico histórico registrado em março de 2013, quando bancos internacionais declararam empréstimos totais de US$ 325,634 bilhões aos clientes brasileiros.

Enquanto o Brasil convivia com as incertezas econômicas e políticas no segundo trimestre, bancos adotaram estratégia mais prudente ao quitar dívidas e, assim, reduziram a exposição total em US$ 6,716 bilhões entre abril e junho.

O mesmo não aconteceu com o setor não financeiro. Empresas brasileiras que não são parte do setor bancário adotaram estratégia contrária e aumentaram o endividamento em US$ 1,474 bilhão no trimestre.

No total, o setor bancário terminou junho de 2015 com estoque de dívida de US$ 134,643 bilhões em instituições financeiras internacionais. Já as empresas não financeiras registravam estoque maior, de US$ 159,773 bilhões. Os dados do BIS mostram que havia, ainda, US$ 1,043 bilhão em empréstimos bancários internacionais sem alocação específica no Brasil.

Risco. Apesar dos alertas dos economistas sobre o risco das dívidas em moeda estrangeira em tempos de desvalorização do real, empresas não financeiras voltaram o tomar crédito no exterior. Dados do Banco de Compensações Internacionais revelam que companhias brasileiras visitaram bancos para tomar crédito pelo segundo trimestre seguido e, a despeito da recessão e da turbulência cambial, o endividamento cresceu US$ 9,6 bilhões de janeiro a junho de 2015.

O BIS aponta que o setor não financeiro brasileiro aumentou o estoque de dívida externa nos bancos estrangeiros em US$ 1,474 bilhão entre abril e junho de 2015. A estratégia é idêntica à usada nos três primeiros meses do ano, quando empresas brasileiras elevaram dívidas em US$ 8,134 bilhões. Enquanto isso, bancos fizeram exatamente o contrário: o setor financeiro reduziu o estoque de dívidas no exterior em US$ 13,164 bilhões no acumulado dos dois trimestres. Com isso, o estoque de dívida do setor não bancário - atualmente em US$ 159,7 bilhões - está muito próximo do máximo histórico registrado em março de 2013, quando bancos internacionais reportaram exposição total de US$ 163,6 bilhões às companhias brasileiras.

Mais conteúdo sobre:
crédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.