Bobby Fabisak|JC Imagem
Bobby Fabisak|JC Imagem

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Cai o número de reclamações na Black Friday

Tanto o Procon de São Paulo como o site ReclameAqui tinham registrado até o início da noite desta sexta-feira, 27, um volume menor de queixas em relação a 2014

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2015 | 22h50

A Black Friday deste ano começou a reduzir o estigma de “Black Fraude” que a megaliquidação ganhou nas últimas edições por causa das falsas promoções. De 10h de quinta-feira até 19h17 desta sexta-feira, 27, foram registradas 3.716 reclamações no site ReclameAqui. No ano passado, no período todo do evento, das 18h de quinta-feira até às 24h de sexta, o site tinha recebido 12 mil queixas, mais que o triplo do resultado parcial deste ano.

Os dados da Fundação Procon de São Paulo também apontam para a mesma direção. Das 19h de quinta-feira até às 18h de sexta, o órgão de defesa do consumidor realizou 973 atendimentos. No ano passado, no período inteiro do evento foram 1.356 atendimentos. “Acredito que as coisas tenham melhorado”, disse a diretora executiva do Procon-SP, Ivete Maria Ribeiro, antes de ter os números fechados do evento. Ela contou que houve três reuniões com as 38 empresas participantes para reforçar o compromisso com a veracidade da promoção e foi feito até um manual dando dicas para o consumidor não cair em armadilhas.

Apesar da redução no número de queixas, os motivos das reclamações continuam os mesmos. Em primeiro lugar está maquiagem de preço, com 44% das queixas segundo o Procon, seguida pela indisponibilidade de produtos (20%). A empresa mais reclamada, de acordo com o órgão de defesa do consumidor, foi a B2W, dona dos sites de comércio eletrônico Submarino, Shoptime e Americanas.com. Procurada, a B2w não se manifestou.

Faturamento. Em relação às vendas do evento no comércio online, os dados preliminares desta sexta-feira, 27, não são conclusivos. De acordo com o E-bit/Buscapé, as vendas passavam de R$ 1 bilhão e, no ano passado atingiram R$ 1,16 bilhão. Nas contas da ClearSale, empresa especializada em ações antifraude, em parceria com o Busca Descontos, que criou o site Blackfriday.com, as vendas até às 18h tinham atingido R$ 929 milhões. “Vamos ultrapassar a meta de R$ 978 milhões”, disse o diretor geral do site, Juliano Motta.

Mesmo com essa projeção otimista, o valor médio da transação neste ano foi menor do que em 2014. De acordo com dados da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, o tíquete médio este ano foi de R$ 507, ante R$ 522 no ano passado.

Além da cautela do consumidor por causa da crise, outra razão para o menor desembolso pode ser o porcentual maior de descontos. Segundo Thiago Flores, diretor do Zoom, site de comparação de preços que acompanha 300 lojas, o maior porcentual de desconto neste ano foi de 90%, encontrado em videogames e relógios de pulso. Em 2014, o maior desconto tinha sido de 86% num ferro de passar. “Neste ano temos desconto de 79% até no celular.”

Tudo o que sabemos sobre:
Black FridayProcon

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.