Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Cai o preço de alimentos natalinos em novembro

Os preços dos alimentos natalinos caíram em novembro ante outubro, o que pode resultar em uma mesa mais farta para o brasileiro durante as festividades de final de ano. A avaliação consta de pesquisa especial feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre a variação de preços, no âmbito do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), de 11 produtos relacionados às ceias de Natal e de Ano Novo.Segundo o economista da fundação André Braz, se o IPC-S fosse uma taxa mensal e composta apenas por esses 11 produtos natalinos, a variação do indicador teria recuado pela metade, passando de alta de 1,79% em outubro para 0,89% em novembro. O economista acredita que a rede de varejo pode ter elevado os preços já em outubro, para ampliar a margem de lucro das compras de fim de ano, mas não deu prosseguimento aos reajustes em novembro."Precisamos analisar se este cenário de preços menores vai se manter em dezembro", afirmou. Para Braz, o comportamento dos preços dos alimentos natalinos está em linha com o que ocorre com o grupo Alimentação, cujos preços têm sofrido recuos freqüentes no varejo. Da cesta de 11 produtos selecionados pela FGV, oito apresentaram recuo de preços, de outubro para novembro, no IPC-S: frutas, carnes suínas; bacalhau; azeitona; azeite; doces em calda; óleo de soja; e refrigerantes. "No caso específico do bacalhau, que é produto importado, o dólar baixo pode ter contribuído para o recuo de preço", acrescentou Braz. Já os produtos restantes apresentaram alta de preços, na mesma comparação, como chester (de 5,27% para 6,76%); vinho (de 0,15% para 0,56%) e presunto cozido (de 1,19% para 3,40%).

Agencia Estado,

06 de dezembro de 2004 | 18h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.