Cai o preço do pãozinho em São Paulo

O pãozinho francês de 50 gramas ficou mais barato para o paulistano, uma semana após o produto ter sido isentado da cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Estado de São Paulo.Pesquisa do Índice do Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) mostra que o preço médio do pãozinho na cidade de São Paulo caiu 0,57% nos 30 dias encerrados em 22 de setembro na comparação com igual período imediatamente anterior. A isenção do ICMS começou a valer a partir do dia 16. Enquanto isso, o IPC-Fipe geral aumentou 0,26% no período."O importante é que o preço caiu, não o tamanho da redução", afirma o presidente do Conselho Regional de Economia de São Paulo (Corecon-SP), Heron do Carmo. Especialista e preços, ele observa que, como o valor do pãozinho é muito baixo, variando de R$ 0,20 a 0,35 a unidade na cidade de São Paulo, torna-se difícil obter reduções maiores. "Não temos unidades abaixo do centavo." Heron pondera também que imposto é apenas um dos fatores que influenciam o preço que, no caso, é determinado pela oferta e pela demanda."O momento não é oportuno para aumentar preços, porque o poder aquisitivo da população está devagar", diz o presidente da Associação das Indústrias de Panificação e Confeitarias de São Paulo, Antero Pereira.A pesquisa de setembro feita pela entidade em 1,3 mil padarias da capital ainda não foi concluída. Mas, segundo Pereira, os preços caíram depois da isenção do ICMS. "A redução média foi de R$ 0,02 ou 5%."Ele argumenta que alguns estabelecimentos mantiveram os preços porque já tinham custos pressionados. Pereira lembra também que a redução de imposto foi anulada pelo reajuste da energia elétrica dos últimos meses.Nos supermercados, onde o pãozinho é usado como chamariz de vendas, com preços variando entre R$ 0,12 e R$ 0,17, praticamente não houve redução, diz o presidente da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Sussumu Honda.Em compensação, com o corte na alíquota do ICMS de 12% para 7% sobre o pão de forma e os pães especiais, esses itens já começaram a ser vendido nos supermercados com redução de até 5% no preço.De acordo com Honda, a isenção do ICMS sobre os biscoitos e as massas deve ter impacto no preço ao consumidor a partir da segunda quinzena deste mês, porque, neste caso, a velocidade de venda desses itens é menor e os supermercados têm estoques antigos, que foram adquiridos por um preço mais alto. A expectativa do presidente da Apas é que o consumo de biscoitos aumente 10% e o de massas cerca de 5% por conta da redução de preços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.