Cai o ritmo de criação do emprego formal

A criação de empregos com carteira assinada está num ritmo de expansão menor este ano, segundo dados do Ministério do Trabalho divulgados hoje. De janeiro a maio de 2004, foram criados 826.761 postos de trabalho. No mesmo período deste ano, este número é de 770.767. Em maio de 2005, foram criados 212.450 empregos, contra 266.095 em abril. Nos últimos 12 meses (junho de 2004 a maio de 2005), 1.467.282 trabalhadores assinaram a carteira.Mesmo com o ritmo menor, o número de maio é o segundo melhor resultado para o mês da série histórica do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), iniciada em 1992. O recorde do mês é de maio do ano passado, quando foram criados 291.822 empregos com carteira assinada.Apesar do resultado, o ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, disse que será possível fechar o ano com o mesmo número de empregos obtidos no ano passado, de 1,5 milhão. Ele aposta nos investimentos que o governo espera realizar no segundo semestre, com recursos do FGTS, que somam R$ 11 bilhões, nas áreas de construção civil e saneamento básico. "Mesmo com as restrições da política monetária e do câmbio, o dinamismo da economia é ainda forte", disse. Ele disse também que o Comitê de Política Monetária (Copom) deu ontem um sinal importante com a manutenção da taxa Selic em 19,75% ao ano. Berzoini espera que até o final do ano o atual patamar da taxa básica de juros possa cair entre 1 e 1,5 ponto porcentual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.