Cai oferta de energia renovável no Brasil

Enquanto a participação da energia não renovável na oferta interna de energia no País passou de 52,4% em 1992 para 59% em 2002, a fatia da energia renovável caiu de 47,6% em 1992 para 41% em 2002, segundo revelou a pesquisa de desenvolvimento sustentável divulgada pelo IBGE. De acordo com a pesquisa, como mostram os números, nos últimos anos há uma tendência de redução na participação de energia renovável (hidráulica e eletricidade, lenha e carvão vegetal, derivados de cana-de-açúcar) na oferta total de energia no Brasil. Segundo o técnico responsável pela análise das informações econômicas da pesquisa, Flávio Bolliger, essa redução é resultado da queda do investimento em construção de hidrelétricas, da queda do consumo de lenha e carvão e do aumento da participação do gás natural na matriz energética brasileira. Os técnicos alertam no documento da pesquisa que a dependência de fontes de energia não renováveis (petróleo e derivados, gás natural, carvão mineral e derivados, urânio e derivados) pode ser considerada insustentável a longo prazo, seja por motivos econômicos ou ambientais. Os técnicos alertam também que os mecanismos e políticas de melhoria na eficiência de uso da energia ainda são incipientes no Brasil. "Para que haja um aumento consistente de eficiência energética, faz-se necessário a implementação de programas de economia e de utilização mais eficiente da energia no País", disem os técnicos da pesquisa no documento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.