Marcelo Camargo/Agência Brasil - 5/8/2019
O presidente da Caixa, Pedro Guimarães. Marcelo Camargo/Agência Brasil - 5/8/2019

Caixa anuncia linha de crédito de R$ 3 bilhões para Santas Casas com juros mais baixos

Segundo o presidente do banco, Pedro Guimarães, mudança vai permitir à Caixa aumentar o volume dos empréstimos à instituições, que também terão uma carência paro pagamento das parcelas

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2021 | 17h25

BRASÍLIA - A Caixa anunciou uma linha de crédito de R$ 3 bilhões para empréstimos às Santas Casas e hospitais filantrópicos. Os financiamentos terão condições diferenciadas, com juros mais baixos e carência no pagamento das parcelas.

As medidas já haviam sido divulgadas na semana passada, mas nesta quinta-feira, 25, o presidente Jair Bolsonaro promoveu uma cerimônia no Palácio do Planalto para divulgar a iniciativa. O evento contou com a presença de ministros e do presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

A nova linha de crédito terá juros 42% menores do que o cobrado anteriormente. As taxas começam em 0,29% ao mês mais CDI. O custo total ficará em torno de 6,3% ao ano. O prazo será de até 120 meses (maior que nos contratos atuais, que financiam em até 84 meses), com carência de seis meses até o início das cobranças.

Segundo Guimarães, a mudança nas condições é fundamental para reduzir os juros às Santas Casas e vai permitir à Caixa elevar o volume dos empréstimos às instituições. Hoje, o banco tem em sua carteira R$ 3,4 bilhões emprestados a 286 Santas Casas. “Queremos emprestar a pelo menos mil Santas Casas a mais”, disse o presidente da Caixa.

Para as instituições que já têm empréstimos no banco, a Caixa vai fazer uma pausa na cobrança das parcelas por um período de 180 dias. Nesse intervalo, não será necessário pagar juros nem o principal do débito.

Guimarães disse que a proposta de uma nova linha de crédito para as Santas Casas partiu de uma conversa com Bolsonaro. Mas ele ressaltou que a decisão foi “matemática”. “A Caixa vai ganhar dinheiro com essa linha”, disse. “Neste governo, a Caixa nunca ganhou tanto dinheiro nem reduziu tanto os juros”, acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Presidente da Caixa promete pagar nova rodada de auxílio emergencial sem filas

Benefício foi recriado por meio de medida provisória, mas o pagamento só começará em abril, ainda sem calendário definido

Emilly Behnke e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2021 | 17h16

BRASÍLIA - O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, prometeu nesta quinta-feira, 25, o pagamento da nova rodada de auxílio emergencial sem repetir as longas filas observadas no ano passado, quando a ajuda aos vulneráveis foi implementada pela primeira vez. Segundo ele, “em breve” o presidente Jair Bolsonaro vai anunciar o calendário da próxima fase do auxílio.

A ajuda já foi recriada por meio de medida provisória (MP), com vigência imediata. Mas, apesar do agravamento da doença no Brasil, os pagamentos só começarão em abril.

Guimarães destacou que a bancarização dos beneficiários na primeira rodada vai ajudar na operação da nova rodada. A lei que criou o auxílio permitiu à Caixa criar contas de poupança digital de forma automática para os beneficiários, que puderam pagar contas ou fazer transferências sem precisar se deslocar até uma agência ou lotérica.

A sistemática, por sua vez, também teve problemas, com inúmeras fraudes e instabilidades no aplicativo Caixa Tem, que dá acesso à poupança digital.

Segundo o presidente da Caixa, cerca de 20 milhões de pessoas dos 45 milhões de beneficiários não precisarão ir às agências do banco para sacar o dinheiro. “Nós faremos novamente (pagamento do auxílio) em breve e sem ter um volume grande de filas", disse em cerimônia sobre ações da Caixa realizada no Palácio do Planalto.

Para Guimarães, ajuda nesse sentido o fato de o banco ter aberto recentemente 76 agências e anunciado a contratação de 7.704 colaboradores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.