Caixa BI deve entrar em operação neste ano

Banco de investimentos da Caixa espera autorização do BC para os próximos meses

ALINE BRONZATI , CYNTHIA DECLOEDT , O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2013 | 02h08

Quase um ano após pedir autorização ao Banco Central, o banco de investimento da Caixa Econômica Federal deve começar a operar no segundo semestre, segundo apurou o 'Broadcast', serviço em tempo real da 'Agência Estado'. O banco nascerá com patrimônio líquido de R$ 500 milhões, R$ 360 bilhões em ativos de terceiros administrados e mais de 300 colaboradores.

Embora seja uma nova instituição dentro da Caixa, os grandes números se justificam já que o banco terá sob seu guarda-chuva a área de gestão de recursos de terceiros da Caixa e também o braço de mercado de capitais da instituição.

O foco de atuação do Caixa BI, provável nome de batismo do novo banco, será canalizar recursos do mercado de capitais para os programas da Caixa de financiamento da infraestrutura, especialmente por meio de operações de renda fixa, segundo fonte próxima à instituição. "O Caixa BI será mais uma linha de receita dentro da instituição e será usado como ferramenta competitiva para que o banco atue mais fortemente na estruturação de operações no mercado de capitais", conta uma fonte próxima ao banco.

Do lado da distribuição, a Caixa quer ser uma ponte para que pessoas físicas possam ampliar o acesso a oportunidades de investimento no mercado de capitais. O público-alvo são indivíduos com renda familiar média de R$ 7 mil. Para isso, a Caixa pretende se beneficiar de sua rede de mais de 5 mil agências bancárias.

Dentre os nomes mais indicados para comandar o Caixa BI está o de Marcos Roberto Vasconcelos, vice-presidente de Gestão de Ativos de Terceiros do banco.

Aval. A instituição entregou há cerca de um mês uma série de documentos ao órgão regulador e trabalha, conforme fontes, com a expectativa de obter a licença definitiva para atuação nos próximos meses, passadas as férias do Hemisfério Norte. A expectativa inicial era de tirar o banco de investimento do papel ainda no primeiro semestre de 2013.

No entanto, o fato de ter sido a primeira instituição a passar pela resolução 4.122, de agosto de 2012, que altera e consolida as regras para a constituição de bancos no Brasil, pode ter impactado no prazo de análise por parte do regulador.

Enquanto não recebe o aval definitivo do BC, a Caixa Econômica Federal desenvolve sistemas para o seu banco de investimento e prepara a equipe que estará à frente da instituição. Para isso, o banco investiu pesado em treinamento nos últimos três anos. O passo seguinte foi mapear e selecionar candidatos em um concurso interno.

A retenção de talentos é, segundo um executivo próximo à Caixa, um dos principais desafios do banco devido à diferença na remuneração oferecida pelas instituições privadas. Apesar disso, 90% da equipe do Caixa BI já estaria formada.

O projeto de criar um banco de investimento surgiu na Caixa em meados de 2008, mas em meio à crise internacional foi deixado de lado e retomado apenas no fim do ano passado. Faz parte do esforço da instituição de estar entre os três maiores bancos do Brasil até 2022.

A ofensiva da Caixa neste mercado acontece no momento que o Banco do Brasil também reforça sua posição no segmento. Em paralelo, a concorrência com bancos privados, como Itaú BBA, Bradesco BBI, BTG Pactual e Credit Suisse, segue elevada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.