Caixa cria seguradora para saúde

Caixa cria seguradora para saúde

Caixa Seguros será acionista de uma nova companhia que será lançada e deve contar com parceiros privados para agilizar as operações

Altamiro Silva Júnior, AGÊNCIA ESTADO, O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2010 | 00h00

A Caixa Econômica Federal vai entrar na área de saúde. O banco vai criar uma seguradora só para vender planos de saúde. A decisão foi tomada pelo conselho de administração da Caixa Seguros, a seguradora do banco público. No próximo dia 29, os acionistas realizam assembleia extraordinária para discutir a constituição da empresa.

O banco confirma a criação da empresa, mas não comenta a estratégia da nova seguradora enquanto o assunto não passar pela aprovação da assembleia. A Caixa Seguros será acionista dessa nova companhia que deve contar com parceiros privados. Segundo a assessoria de imprensa da seguradora, ainda não foram definidos os eventuais parceiros.

Só habitacional. Hoje, o seguro habitacional é o principal produto da Caixa Seguros, que domina mais de 70% desse mercado no País. Essas apólices são feitas em conjunto com o financiamento imobiliário e cobrem danos ao imóvel, morte e invalidez permanente do mutuário. Além do ramo habitacional, a seguradora da Caixa também vende produtos voltados para automóveis e residenciais.

A nova seguradora de saúde da Caixa vai concorrer com a Bradesco Saúde e a SulAmérica, as duas maiores na área. Também concorre com as operadoras de planos de saúde, como Medial e Amil. Nos últimos anos, as seguradoras pararam de vender planos para pessoas físicas, em razão dos prejuízos apurados nesse ramo, e se fixaram em seguros para o mercado corporativo, o que melhorou seus resultados. Já as operadoras continuam atendendo os dois segmentos.

Parceria com franceses. A Caixa Seguros é resultado de uma parceria da Caixa Econômica Federal com o grupo francês CNP Assurances, que detém 51,7% do capital da seguradora. A estratégia de ter um sócio privado é semelhante à do Banco do Brasil, que criou seguradoras para atuar em segmentos diferentes por meio de parcerias.

Na área de saúde, o BB tem parceria com a SulAmérica. Nesse modelo, o sócio tem a maior parte das ações justamente para criar uma seguradora privada, o que dá maior agilidade na contratação de funcionários e definição de planos.

A compra da Nossa Caixa, no fim de 2008, tornou urgente a reestruturação da área de seguros do Banco do Brasil. A Nossa Caixa tinha outros sócios na área de seguros.

Resultados. No ano passado, a Caixa Seguros registrou lucro líquido de R$ 759 milhões, 19% acima do resultado obtido em 2008.

O retorno sobre o patrimônio chegou a 45,4%, um dos mais altos do mercado de seguros. Os prêmios ganhos avançaram 25,6%, para R$ 1,5 bilhão. O resultado financeiro aumentou 33%, para R$ 299,5 milhões.

Gigante na habitação

R$ 759 milhões

foi o lucro líquido da Caixa Seguros no ano passado, o que representou uma alta de 19% em relação a 2008. O retorno sobre o patrimônio da companhia chegou a 45,4%, um dos mais altos do mercado brasileiro

R$ 1,5 bilhão

foi o total de prêmios obtidos pela Caixa Seguros no ano passado, o que significou uma expansão de 25,6% ante 2008

70%

é a participação da Caixa

Seguros no segmento habitacional do País

51,7%

é a participação do grupo francês CNP Assurances no capital da Caixa Seguros

PARA ENTENDER

Banco luta para ir além da habitação

A entrada da Caixa Econômica Federal na área de saúde encaixa-se na estratégia do banco de diversificar sua atuação, muito concentrada no setor de habitação.

No fim do ano passado, por exemplo, a Caixa acertou a compra do Banco Panamericano, que deu a ela a possibilidade de entrar mais fortemente no negócio de financiamento ao consumo.

O segmento de saúde no Brasil passa por mudanças importantes. A Agência Nacional de Saúde (ANS) tem aumentado as exigências de capital para as empresas do setor. Para analistas, isso vai levar a uma forte consolidação. Nesse ambiente, devem sobrar apenas empresas de grande porte - ou que sejam associadas a instituições financeiras de grande porte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.