Divulgação
Divulgação

Caixa diz ter identificado fraude em controles internos e avisado a PF

Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira a Operação Cabala, para combater fraudes em financiamentos imobiliários do banco

Fausto Macedo e Julia Affonso, O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2016 | 11h40

SÃO PAULO - Em relação à operação "Cabala" deflagrada pela Polícia Federal nesta quinta-feira (28), a Caixa Econômica Federal informa que a fraude foi identificada pelo próprio banco por meio de mecanismos de controle interno, e que encaminhou notícia-crime à Polícia Federal. Também o banco afirma que submeteu os empregados envolvidos a processo de apuração interna, "que já resultou em demissões e suspensões." E completou que "continua contribuindo integralmente para investigações dos órgãos competentes."

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira a Operação Cabala, para combater fraudes em financiamentos imobiliários da Caixa Econômica Federal. A corporação investiga um grupo que teria causado prejuízo de cerca de R$ 220 milhões à Caixa, por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida. São investigados construtoras, empregados do banco, contadores, servidores públicos e compradores das casas.

Cerca de 200 policiais federais cumprem 27 mandados de busca e apreensão e 27 mandados de sequestro, além da inquirição de 40 pessoas envolvidas nas fraudes. Estão sendo conduzidos para prestar depoimento 5 empregados da Caixa, 11 donos de construtoras e 4 contadores.

Segundo a PF, as investigações apontam que empresas de construção civil construíram quase duas mil casas no município de Teotônio Vilela (AL) e as venderam, utilizando-se do subsídio oferecido pelo Programa Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal. Os donos das empresas envolvidas teriam oferecido dinheiro para que as pessoas comprassem as casas e incluíssem essa vantagem indevida no valor venal dos imóveis.

As investigações também apontam indícios de que os empregados da Caixa tenham liberado financiamentos imobiliários, mediante o recebimento de vantagem indevida.  Leia mais na nota publicada às 09h44.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.