Caixa estuda nova linha de crédito para a construção civil

Presidente do banco estatal diz que governo quer apoiar o setor como 'uma ação preventiva'

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

17 de outubro de 2008 | 12h10

A Caixa Econômica Federal (CEF) poderá criar uma linha nova de crédito para a construção civil ou modificar as linhas que já opera para o setor, informou nesta sexta-feira, 17, à Agência Estado a presidente da CEF, Maria Fernanda Ramos Coelho. De acordo com ela, o governo quer apoiar o setor como "uma ação preventiva". Ela declarou, sobre os financiamentos da Caixa para a área, que a instituição "continua operando de vento em popa".   Veja também: Caixa fecha acordo com 4 bancos para compra de carteiras Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise    A executiva informou que de janeiro a setembro a Caixa já financiou R$ 17,4 bilhões, o que representa 55% acima do crédito concedido no mesmo período do ano passado. "Estamos fazendo uma média de mais de R$ 100 milhões por dia", disse Maria Fernanda. "Não sentimos nenhuma redução de demanda. O setor está operando muito bem", declarou. Ela comentou que no Brasil o déficit habitacional é muito grande e a massa salarial está crescendo. Também argumentou que as obras do PAC ajudam o setor.   A presidente da Caixa informou que as fontes de recursos da instituição para o crédito habitacional são a poupança, que já captou R$ 8,5 bilhões este ano, e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), cujo orçamento é alocado no início do ano. Assim, a Caixa não enfrenta dificuldade de obtenção de recursos para o financiamento imobiliário. "Não aumentamos as taxas de juros", acrescentou.   A executiva participou de cerimônia de entrega das chaves de 140 habitações de baixa renda subsidiadas pelos governos federal, estadual e municipal na Cidade de Deus, zona oeste do Rio.   Compra de carteiras   O banco também anunciou que está negociando a compra de carteiras de crédito com mais 20 instituições financeiras, além das quatro carteiras de que já comprou na última quinta-feira no valor total de R$ 4,7 bilhões. A presidente da Caixa não deu o valor, nem ordem de grandeza para as carteiras de crédito que estão em negociação. O perfil, tanto das já adquiridas, quanto das que estão em negociação, é de crédito consignado e para pequenas e médias empresas.    O objetivo é dar liquidez ao mercado para que as instituições vendedoras emprestem mais. A presidente explicou que a Caixa não coloca nenhuma exigência de que os bancos vendedores voltem a emprestar. "Isso é com o compulsório", disse, referindo-se à liberação de depósitos compulsórios pelo Banco Central aos bancos, medida sobre a qual o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já declarou que é feita para os bancos emprestarem.   A executiva deu as declarações à imprensa após participar de cerimônia de entrega das chaves de 140 habitações subsidiadas pelos governos federal, estadual e municipal na Cidade de Deus, zona Oeste da capital fluminense.      

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.