coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Caixa garante que não houve erro na correção do FGTS

O superintendente Nacional do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, Joaquim Lima, garantiu hoje que ainda não detectou nenhum erro na emissão dos extratos e no cálculo do crédito complementar que está sendo informado aos trabalhadores. Ontem, o ministro do Trabalho, Paulo Jobim, tinha admitido que poderia haver alguma divergência entre os extratos fornecidos pelos bancos e o emitido pela Caixa para o pagamento da diferença de correção monetária, devida por ocasião dos planos Verão e Collor 1.O técnico da Caixa Econômica Federal pediu paciência aos trabalhadores e explicou, passo a passo, como a instituição emitiu o extrato e chegou ao valor do crédito a ser pago a cada um. Primeiro ele disse que é fácil para o trabalhador comprovar que a base de cálculo que a Caixa usou é a mesma do extrato original, no banco depositário. Para isso, o trabalhador nem precisa ir ao banco de origem e pedir um extrato. Ele tem a imagem do seu extrato antigo, com todos os dados informados pelo banco, no site da Caixa. Para fazer a consulta basta digitar o código do extrato que está informado no documento novo, que ele recebeu via correio.A consulta ao extrato pode também ser feita nos 68 Postos de Atendimento ao Trabalhador (PATs) em funcionamento nas maiores cidades do País, exclusivamente para este atendimento, além de 800 agências da Caixa que, nesse período inicial de pagamento do FGTS, estão funcionando em horário estendido. Nos postos de atendimento, o horário é das 8 da manhã às 20 horas e nas 800 agências da Caixa, o atendimento vai até às 22 horas. De acordo com Joaquim Lima o que está acontecendo é que, muitas vezes, o trabalhador recebeu apenas um extrato, que não representa a totalidade do crédito a que ele tem direito. ComplexidadeCom relação ao cálculo propriamente dito, o superintendente Nacional do FGTS afirmou que a chance de erro é zero. O cálculo é complexo, pois envolve um período de correção de 12 anos, sendo os critérios diferentes para cada plano econômico. Por exemplo, no plano Verão (janeiro de 1989) a forma de correção do FGTS era trimestral e no plano Collor1 (abril de 1990) mensal. Tudo isso, no entanto, vem discriminado no extrato fornecido pela Caixa. Joaquim Lima lembrou que é bom o trabalhador não se esquecer que nesses 12 anos a moeda do País mudou várias vezes, tivemos mudança de padrão monetário com corte de zeros e mesmo o plano Real, mais recente, dividiu tudo por R$ 2.750,00. " O resultado é um número bem diferente do que simplesmente transpor a moeda da época para o real", disse.Caso o trabalhador não concorde com o cálculo apresentado ou tenha provas de que tem mais a receber, Joaquim Lima disse que não haverá problema algum para a Caixa refazer a conta. Basta que o trabalhador apresente alguma prova nas agências ou pontos de atendimento. A prova pode ser um extrato antigo, a própria carteira de trabalho ou os documentos da rescisão contratual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.