Covid-19

Quem se recupera antes da crise: Europa ou Estados Unidos?

Caixa lança nova linha de crédito imobiliário

Os participantes das entidades fechadas de previdência privada, os chamados fundos de pensão, ganharam uma nova linha de crédito imobiliário. A Caixa Econômica Federal está lançando no mercado a Letra Hipotecária Azul (LHA), papel a ser comercializados exclusivamente com os fundos de pensão. Os recursos obtidos com a venda dos papéis serão destinados ao financiamento de imóveis para os participantes dos fundos. O lançamento foi feito hoje em Salvador pelo diretor de Finanças e Controle da Caixa, Waldery Albuquerque.Segundo Albuquerque, o novo sistema poderá colocar no mercado recursos da ordem de R$ 10 bilhões - total permitido pela legislação para que os fundos apliquem no segmento imobiliário. Ele explicou ainda que, na verdade, trata-se de uma operação casada com cada fundo de pensão. Na operação, o investidor institucional adquire as letras hipotecárias. Em contrapartida, a Caixa coloca à disposição dos participantes do fundo uma linha de crédito no valor correspondente aos recursos obtidos com a venda dos papéis. A primeira experiência desse tipo de financiamento está sendo feita com o fundo de pensão dos servidores da Prefeitura do Rio de Janeiro. O diretor da Caixa diz que, mesmo com a indicação do mutuário pelo fundo, o financiamento será feito individualmente. Segundo Albuquerque, o prazo de financiamento e a taxa de juros serão negociados com cada fundo. Mas o prazo máximo do empréstimo não poderá passar de 20 anos e a taxa de juros será sempre inferior a 12%. Na compra do imóvel, os participantes poderão usar os recursos do FGTS.Para isso, os interessados devem atender as exigências da legislação: deverão estar cadastrado há três anos no FGTS e o valor do imóvel não poderá ser superior a R$ 300 mil. O projeto permite que os sindicatos e entidades de classe criem fundos de pensão para a sua categoria profissional. Atualmente, isso só é permitido para os funcionários de uma mesma empresa ou do mesmo grupo econômico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.